Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.296,18
    -1.438,83 (-1,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.889,66
    -130,39 (-0,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,98
    +1,48 (+1,79%)
     
  • OURO

    1.793,10
    +11,20 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    61.078,10
    -64,05 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.453,34
    -49,69 (-3,31%)
     
  • S&P500

    4.544,90
    -4,88 (-0,11%)
     
  • DOW JONES

    35.677,02
    +73,94 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.204,55
    +14,25 (+0,20%)
     
  • HANG SENG

    26.126,93
    +109,40 (+0,42%)
     
  • NIKKEI

    28.804,85
    +96,27 (+0,34%)
     
  • NASDAQ

    15.324,00
    -154,75 (-1,00%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5808
    -0,0002 (-0,00%)
     

Entre home office e modelos híbridos, investimento em segurança deve crescer 14%

·5 minuto de leitura

A aceleração da adoção do home office e, com a reabertura, dos modelos de trabalho híbridos também deve se refletir em um crescimento do mercado brasileiro de segurança digital. A expectativa é de investimentos de US$ 1,8 bilhão até o final de 2021, representando um aumento de 13,6% em relação ao que foi registrado no ano passado, já um período de movimentação rápida devido às necessidades de segurança enquanto os colaboradores passavam a trabalhar de casa.

Os dados são do IDC, especializado em levantamentos sobre o mercado de tecnologia, e foram apresentados durante evento promovido pela empresa de segurança Check Point. Eles demonstram dois cenários distintos: de um lado, está uma tendência de aumento nos incidentes cibernéticos, que se tornam cada vez mais sofisticados e perigosos; de outro, uma preocupação maior com isso. Ainda que os dois casos nem sempre caminhem lado a lado, ainda assim, a perspectiva é de uma melhoria generalizada no ambiente de proteção, ainda que os desafios em relação a isso continuem sendo um bocado grandes.

Um reflexo dessa adequação se dá, por exemplo, em uma medida de 48,6% do montante investido em 2021 sendo voltado a software ou inteligência embarcada. “Enquanto os ambientes híbridos seguem com adoção avançada, essas soluções passam a ser mescladas com outros modelos de infraestrutura”, explica Luciano Ramos, diretor de engenharia de segurança do IDC.

Segundo os dados do IDC, 49% das empresas têm uma abordagem múltipla, com 63% delas tendo a nuvem como parte integrante da infraestrutura. Esses números se dividem entre 29% de clouds privadas e 11% públicas, enquanto 37% ainda estão trabalhando apenas com data centers tradicionais. “A utilização cada vez maior [dessa tecnologia] introduziu novas complexidades e exigiram que a abordagem fosse repensada”, completa o especialista, apontando esse universo em expansão como um dos principais motivos para o aumento nos investimentos.

<em>Mudança para home office ou regimes híbridos gerou mudanças de infraestrutura, com empresas usando uma mistura de data centers tradicionais e nuvem; desafios para a proteção também aumentam (Imagem: Divulgação/IDC)</em>
Mudança para home office ou regimes híbridos gerou mudanças de infraestrutura, com empresas usando uma mistura de data centers tradicionais e nuvem; desafios para a proteção também aumentam (Imagem: Divulgação/IDC)

Apesar de esse aspecto se refletir em gastos mais altos, Ramos vê a tendência como positiva, já que também demonstra um aumento continuado nos orçamentos voltados à tecnologia. Com isso, a expectativa do IDC é de um crescimento de 10% ano a ano, até 2024, no setor de segurança brasileiro, com a categoria de software sendo a maior ganhadora nesse cenário, com uma ampliação de 15% a cada período.

Indecisos diante da mudança

A expectativa de ampliação também conversa diretamente com outro dado apresentado pelo IDC. Enquanto 43% das empresas brasileiras já optaram por adotar o modelo híbrido, outras 14% retornarão a um regime presencial, enquanto 9% se tornaram totalmente remotas. A chave para o crescimento, porém, está em um total de 33% de corporações que ainda não tomaram uma decisão e podem contribuir significativamente com a implementação de novos sistemas de segurança, atualização do parque tecnológico e soluções de cloud computing.

Enquanto a resposta a incidentes e a defesa não necessariamente caminham juntos, essa adoção precisa. “Precisamos de uma abordagem de alto nível, que integre diferentes sistemas e eleve o nível de segurança. Quando [as plataformas] trabalham juntas, elas fornecerão maior proteção”, explica Gil Shwed, fundador e CEO da Check Point. Na visão dele, não há como fugir da digitalização e isso vale, inclusive, para as companhias que decidirem adotar o regime presencial após o fim da pandemia de covid-19. “Nossa vida pessoal e também o trabalho dependem mais do que nunca das conexões. Ao mesmo tempo, o panorama de ataques também se tornou mais desafiador do que nunca.”

A ideia também é compartilhada por Ronaldo Lemos, advogado, professor e diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro. Na visão dele, é justamente a conectividade que está permitindo a avaliação entre a permanência do regime presencial contra opções híbridas ou remotas, com uma mudança de realidade que deve ser a nova métrica da sociedade. “Mesmo em home office, não estamos trabalhando sozinhos. Nos conectamos a bandos de dados, ferramentas que auxiliam no dia a dia e também outras pessoas”, explica.

Um clichê antigo, de que a informação seria o petróleo do século XXI, é usado por ele para definir o estado atual. O especialista aponta quatro pilares como os essenciais para o presente e o futuro: inteligência artificial, nuvem, Internet das Coisas e Big Data. Como o último exemplo já demonstra, todos dependem de dados, que darão a tônica das relações de trabalho, inovação e produtividade que gerarão as mudanças no nosso cotidiano ao longo das próximas décadas.

<em>Aumento nos ataques e adoção de regimes híbridos mudaram prioridades nas empresas, com a segurança assumindo lugar de destaque ano a ano como investimentos e prioridades (Imagem: Divulgação/IDC)</em>
Aumento nos ataques e adoção de regimes híbridos mudaram prioridades nas empresas, com a segurança assumindo lugar de destaque ano a ano como investimentos e prioridades (Imagem: Divulgação/IDC)

É aí que entra a importância da segurança digital, já que na medida em que os volumes de dados se tornam maiores e mais complexos, a velha ideia de um hacker jovem, trabalhando em um quarto escuro também não existe mais — essa, como a anterior, também é uma noção antiquada e que não deve servir como maneira de minimizar a importância das medidas de proteção.

Enquanto os ataques cibernéticos de hoje são realizados por quadrilhas organizadas, que às vezes contam até mesmo com financiamento e guarida de estados ou grupos políticos, a proteção também se tornou exigência legal. No Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados vale desde 2018, com o prazo para adequação terminando no último mês de agosto. “A força dos dados e a necessidade de proteção não podem ser subestimadas e são centrais para a realidade de hoje”, completa Lemos.

Os números do IDC, felizmente, apontam uma tendência positiva, com a preocupação com a segurança disparando na lista de prioridades das empresas brasileiras. De 51% em 2019, esse aspecto é de 70% no ano atual. Afinal de contas, segundo os dados, mais de 49% das organizações da América Latina já tiveram algum incidente de segurança, com essa estratégia se tornando um foco comum na indústria e, no final das contas, também ampliando investimentos e levando a indústria para a frente.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos