Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.371,95
    +2.073,68 (+3,56%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Entidades reagem às novas medidas de restrição impostas por decreto de Paes no combate à Covid-19

Luiz Ernesto Magalhães
·2 minuto de leitura

Entidades ligadas a bares, restaurantes e quiosques do Rio reagiram às novas medidas de restrição impostas por um decreto do prefeito Eduardo Paes publicado nesta quinta-feira no Diário Oficial. Eles criticaram as regras, que restringem o horário de funcionamento de estabelecimentos comerciais e, no caso dos quiosques, determina o fechamento deles por uma semana. Paes alega que a medida foi necessária para evitar cenas de aglomeração vistas na capital, "não repetir genocídio de 2020" e evitar o lockdown.

O sindicato dos bares e restaurantes cita que os estabelecimentos amanheceram "em seu pior dia" desde o início da pandemia, diz que foram pegos de surpresa pelo pacote de medidas da prefeitura e afirma que não há tempo para fazer as adequações necessárias:

"Os restaurantes do Rio de Janeiro amanheceram em seu pior dia desde o início da pandemia. Nos 12 meses de crise, sempre estivemos abertos ao diálogo e dispostos a colaborar com soluções junto ao Poder Público. Hoje, pela primeira vez, fomos pegos de surpresa. Sem aviso prévio ou prazo para adequação, severas restrições foram baixadas, inviabilizando o funcionamento de muitos negócios".

Em outro trecho, o sindicato diz que o setor foi o que mais provocpu desemprego no município ao longo da pandemia e projeta pelo menos mil demissões por semana, principalmente de funcionários com contrato de experiência. A queda de faturamento dos estabelecimentos deve ficar na casa dos 80% e pagamentos de fornecedores e e contas de consumo — gás, luz e água — será imediata, afirma o sindicato.

"Dez por cento de todas as demissões em restaurantes no Brasil vieram da Cidade do Rio. E na sexta, 100 mil famílias correm o risco de não receber salários. Estoques cheios de alimentos perecíveis serão descartados. Depois de um ano de crise, as empresas do setor, 75% de pequeno porte, estão afundadas em dívidas e sem caixa para honrar com seus compromissos mais básicos. Como representante de milhares de comerciantes que ainda sobrevivem a duras penas e querem acreditar no Rio, o SindRio espera que a Prefeitura tenha sensibilidade social e flexibilize o decreto o quanto antes, reafirmando nosso compromisso com respeito aos protocolos e à vida".

O presidente da Orla Rio Associados, João Marcelo Barreto, disse que achou injusta as restrições contra os quiosques. Ele disse que pedirá à prefeitura o mesmo direito de funcionamento dado aos bares e restaurantes:

— A gente entende restrições. A preservação da vida é o principal. Mas devíamos ter o mesmo direito a funcionar que os bares e restaurantes. Se o frequentador da orla não puder consumir nos quiosques, vai pedir comida e bebida por aplicativos. E essa movimentação é que vai gerar aglomerações — disse João Marcelo.