Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,26 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,77 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,79
    -0,30 (-0,33%)
     
  • OURO

    1.816,50
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    24.348,27
    -110,00 (-0,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,35 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,22 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,68 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.549,25
    -28,50 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2028
    -0,1209 (-2,27%)
     

Entidades pedem indenização de R$ 100 milhões à Caixa por assédio

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O Seeb-MA (sindicato de bancários do Maranhão) e o Centro Santo Dias de Direitos Humanos, ligado à Arquidiocesse de São Paulo, representados pelo escritório Márlon Reis, protocolaram uma ação pedindo indenização por dano moral coletivo de R$ 100 milhões à Caixa Econômica Federal pelos episódios de assédio moral e sexual que levaram à saída de Pedro Guimarães da presidência do banco.

Segundo as entidades, o recurso será revertido ao FNDD (Fundo Nacional de Direitos Difusos).

O objetivo é compelir a Caixa a promover uma profunda revisão nos mecanismos internos de denúncia, prevenção e repressão ao assédio moral e sexual, diz o advogado Márlon Reis.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos