Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,31 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -908,97 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,83
    -0,72 (-0,84%)
     
  • OURO

    1.836,10
    -6,50 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    35.969,16
    -2.890,43 (-7,44%)
     
  • CMC Crypto 200

    870,86
    +628,18 (+258,85%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,02 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.494,13
    -90,88 (-1,20%)
     
  • HANG SENG

    24.965,55
    +13,20 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    27.522,26
    -250,67 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    14.411,00
    -430,00 (-2,90%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1900
    +0,0599 (+0,98%)
     

Entenda por que o Auxílio Brasil pode começar com fila de espera

·2 min de leitura
Foto: Getty Images.
Foto: Getty Images.
  • O Auxílio Brasil atende a 17,9 milhões de famílias;

  • Na aprovação da MP, a linha de pobreza foi alterada;

  • Com isso, aumenta o número de pessoas com direito ao benefício.

Com a brecha criada pela mudança de última hora no texto da medida provisória (MP), que colocou o Auxílio Brasil para condicionar o pagamento do benefício ao orçamento, a promessa do governo em zerar filas de espera fica em xeque.

Desse modo, outra opção seria aumentar mais o orçamento do programa, que atualmente é de R$ 88 bilhões, contra os R$ 34 bilhões durante o Bolsa Família. Além disso, com a atualização na linha de pobreza, é esperado que o programa comece com fila de espera.

Leia também:

Contudo, não há certeza sobre qual é o tamanho da fila. Anteriormente, o governo dizia que os beneficiados aumentariam em número, ou seja, dos 14,5 milhões até 17 milhões.

Dessa forma, o 1,2 milhão de pessoas que estavam na fila em abril seriam atendidos com folga. O que acontece é que o Auxílio Brasil já atende a 17,9 milhões de famílias, que significa um atestado de que a fila é superior ao que se era esperado.

E o número ainda pode ser maior, já que dados do governo disponíveis em painel do Ministério da Cidadania de outubro deste ano demonstram que havia mais de 31 milhões de família inscritas no Cadastro Único (CadÚnico), caminho de entrada para benefícios sociais.

Na aprovação da MP, a linha de pobreza foi alterada para R$ 210, enquanto a da extrema pobreza chega a R$ 105. A mudança aumenta a quantidade de pessoas com direito ao benefício. Portanto, o programa já começaria com fila.

O Auxílio Brasil custaria R$ 88 bilhões para atender 17,9 milhões de famílias, ou seja, o custo extra de R$ 54 bilhões em relação atual ao Bolsa Família. Nas contas do próprio governo, um benefício que atenda a 21,6 milhões de pessoas aumentaria os gastos para R$ 103 bilhões.

As informações são do Brasil Econômico e do Portal iG.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos