Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.681,02
    -185,36 (-0,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Entenda por que Chico Buarque ainda não recebeu o certificado do Prêmio Camões

·1 min de leitura

Depois anos após ser anunciado vencedor do Prêmio Camões, Chico Buarque ainda não recebeu seu certificado. Além do prêmio de 100 mil euros, divididos entre os governos brasileiro e português, o Camões dá direito a um diploma assinado pelos presidentes dos dois países. À época, o presidente Jair Bolsonaro deixou claro que a assinatura não era uma prioridade: “Eu tenho prazo? Então 31 de dezembro de 2026, eu assino”. Chico, inimigo do bolsonarismo, comemorou: "Ganhei o segundo Camões".

Inicialmente, cerimônia de entrega do prêmio estava marcada para o dia 25 de abril do ano passado, feriado da Revolução dos Cravos, que enterrou a ditadura fascista portuguesa. No entanto, foi adiada duas vezes devido à pandemia. Segundo a Biblioteca Nacional, Chico já recebeu os 100 mil euros a que tinha direito e a cerimônia deve ocorrer em 25 de abril de 2022. Não se sabe se Bolsonaro vai ou não assinar o diplima de Chico.

O escritor e compositor foi o 13º e último brasileiro a levar o prêmio. Este ano, a premiada foi a moçambicana Paulina Chiziane.

O Prêmio Camões de Literatura foi criado em 1988 pelos governos brasileiro e português, com o objetivo de consagrar um autor de língua portuguesa cuja obra tenha contribuído para o enriquecimento do patrimônio literário e cultural lusófono. Nessas 33 edições, o prêmio contemplou nomes como Antonio Lobo Antunes, Mia Couto e José Saramago, além dos brasileiros Jorge Amado, Autran Dourado, João Cabral de Mello Neto, Rubem Fonseca, João Ubaldo Ribeiro, Ferreira Gullar, Alberto Costa da Silva e Raduan Nassar.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos