Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.788,10
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.144,92
    -852,84 (-1,55%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Entenda o que causou a maior inflação para outubro desde 2002

·3 min de leitura
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 21-02-2019: Cédulas de real. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)
*ARQUIVO* São Paulo, SP, Brasil, 21-02-2019: Cédulas de real. Papel Moeda. Dinheiro. (Foto Gabriel Cabral/Folhapress)

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A inflação oficial do país surpreendeu mais uma vez analistas do mercado financeiro, com uma alta acima da esperada em outubro. No mês passado, o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) subiu 1,25%, maior variação para o período desde 2002.

O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (10) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Analistas de mercado consultados pela agência Bloomberg projetavam variação de 1,06%.

A gasolina foi a principal responsável por puxar para cima a inflação de outubro.

O combustível teve alta de 3,10% e, assim, respondeu pelo maior impacto individual sobre o índice do mês: 0,19 ponto percentual.

A gasolina vem sendo pressionada pela recuperação do petróleo no mercado internacional e pelo dólar alto. Os dois fatores são levados em consideração pela Petrobras na hora de definir os preços dos combustíveis em suas refinarias.

Segundo o IBGE, a gasolina acumula disparada de 38,29% no ano e de 42,72% nos últimos 12 meses.

O segundo maior impacto individual no IPCA de outubro veio das passagens aéreas: 0,15 ponto percentual. O item subiu 33,86% no mês passado.

Conforme o instituto, a alta das passagens reflete uma combinação de fatores. Tradicionalmente, os preços costumam subir em outubro, com a maior procura por viagens.

Neste ano, o avanço do querosene de aviação causa uma pressão adicional para os custos das companhias aéreas, que tentam retomar resultados positivos após o baque da Covid-19.

Para completar a receita de aumentos, há ainda uma demanda mais aquecida por passagens após as restrições causadas pela pandemia.

O terceiro impacto individual no índice de outubro foi do tomate (0,07 ponto percentual). Os preços subiram 26,01%.

Condições climáticas adversas abalaram a produção de alimentos como o tomate nos últimos meses.

Além da seca, o Brasil atravessou ondas de frio intenso em julho, com o registro de geadas. Perdas em plantações e a redução na oferta pressionam os preços para cima.

O quarto maior impacto no IPCA de outubro veio da energia elétrica: 0,06 ponto percentual. A luz subiu 1,16% no mês.

O aumento, apesar de robusto, foi menor do que o verificado em setembro (6,47%).

Neste ano, a energia ficou mais cara devido à crise hídrica. A escassez de chuva forçou o acionamento de usinas térmicas, elevando os custos da geração de eletricidade.

O reflexo é a luz mais cara nos lares brasileiros.

"Em outubro, foi mantida a bandeira de escassez hídrica, que acrescenta R$ 14,20 na conta de luz a cada 100 kWh consumidos. Houve ainda reajustes tarifários em regiões com peso significativo no IPCA, como Goiânia, São Paulo e em Brasília", apontou Pedro Kislanov, gerente da pesquisa do IBGE.

Com o resultado de outubro, a inflação acumulada pelo IPCA permanece acima de dois dígitos, com alta de 10,67% em 12 meses. É o maior acumulado desde janeiro de 2016 (10,71%).

Kislanov mencionou que os custos maiores de empresas com itens como combustíveis e energia elétrica causam uma pressão ao longo da cadeia produtiva.

Contudo, em 12 meses, os preços administrados, como gasolina e luz, ainda apresentam uma elevação mais forte do que os serviços livres, ponderou o analista do IBGE.

No acumulado até outubro, a alta dos preços monitorados foi de 17,01%. Enquanto isso, a inflação de serviços foi de 4,92%.

Em outubro, o índice de difusão do IPCA subiu de 65% para 67%. O indicador reflete o espalhamento da alta de preços entre os produtos e serviços pesquisados pelo IBGE.

O índice de difusão esteve pela última vez abaixo de 50% em maio de 2020 (43%). À época, o contexto era diferente, com os preços do petróleo em patamar mais baixo, lembrou Kislanov.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos