Mercado abrirá em 9 mins
  • BOVESPA

    106.924,18
    +1.236,18 (+1,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.579,90
    +270,60 (+0,55%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,77
    -0,72 (-0,65%)
     
  • OURO

    1.805,40
    -2,80 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    29.842,89
    -517,59 (-1,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    669,23
    -11,88 (-1,74%)
     
  • S&P500

    4.023,89
    +93,81 (+2,39%)
     
  • DOW JONES

    32.196,66
    +466,36 (+1,47%)
     
  • FTSE

    7.427,62
    +9,47 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    19.950,21
    +51,44 (+0,26%)
     
  • NIKKEI

    26.547,05
    +119,40 (+0,45%)
     
  • NASDAQ

    12.385,75
    +3,00 (+0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,3187
    +0,0596 (+1,13%)
     

Entenda as diferenças entre Mastodon e Twitter

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Aquecida pelo andamento da compra de Elon Musk, a disputa entre o Twitter e o Mastodon nunca esteve em momento tão intenso. Com finalidade semelhante, mas aplicações profundamente distintas, ambas as redes sociais disputam um mesmo espaço no mercado de redes sociais e podem atiçar essa competição ainda mais nos próximos meses.

Em destaque atualmente por ser uma alternativa ao Twitter, o Mastodon não surgiu agora: a plataforma existe desde 2016, ano em que o Twitter estava para ser vendido (coincidência?). O criador da plataforma, Eugen Rochko, se dizia insatisfeito com as decisões tomadas pela diretoria da Rede do Passarinho Azul e, por conta disso, decidiu tomar as rédeas da situação construindo a sua própria rede social.

Mastodon surgiu em 2016, quando Eugen Rochko se viu descontente com as decisões tomadas pela administração do Twitter (Imagem: Reprodução/Mastodon)
Mastodon surgiu em 2016, quando Eugen Rochko se viu descontente com as decisões tomadas pela administração do Twitter (Imagem: Reprodução/Mastodon)

Entretanto, num segmento disputado por gigantes da tecnologia, pouco o Mastodon conseguiu conquistar ao longo dos anos — ao menos, antes da movimentação iniciada por Musk. A plataforma agradava públicos mais nichados, interessados em conhecer ambientes digitais mais silenciosos e que ainda não eram atingidas por questões que as redes sociais modernas sofrem diariamente.

Instâncias do Mastodon

Diferente do Twitter, que coloca todas as pessoas sob o mesmo teto e comando, o Mastodon se destaca pela abordagem descentralizada — essa, na verdade, é sua principal diferença. De forma simplificada, isso significa que a rede social não é controlada por uma empresa específica.

O código-fonte do Mastodon é aberto, de livre acesso e reprodução. Qualquer desenvolvedor interessado pode baixá-lo e replicá-lo da forma que preferir, formando o que chamam de “instância”. Dentro de cada distribuição, porém, podem ser definidas regras, como moderação de conteúdo, tópicos em discussão e outras características importantes.

Cada instância no Mastodon tem uma finalidade específica, seja unir pessoas com interesses comuns ou pessoas de um mesmo país, cidade ou bairro (Imagem: Reprodução/Mastodon)
Cada instância no Mastodon tem uma finalidade específica, seja unir pessoas com interesses comuns ou pessoas de um mesmo país, cidade ou bairro (Imagem: Reprodução/Mastodon)

É daí que surge a importância da escolha de uma instância: cada uma delas é regida por um administrador diferente, com regras e prioridades de moderação potencialmente distintos. Uma instância pode servir para unir pessoas de uma mesma empresa, cidade, clube, bairro ou a rede social inteira — no caso, da mastodon.social, comandada pelo próprio Eugen Rochko.

Ainda que liderados de formas diferentes, as instâncias podem se comunicar, pois o Mastodon é uma rede social federada. Ou seja, pessoas de diferentes distribuições igualmente federadas podem seguir (ou serem seguidas), trocar mensagens e bater papo com pessoas cadastradas em outros servidores.

Microblogging em essência

Tanto o Twitter quanto o Mastodon têm uma experiência inspirada no tradicional microblogging: usuários podem fazer publicações curtas — no Twitter, são permitidos 280 caracteres por post; no Mastodon, 500. Enquanto a Rede do Passarinho chama as publicações de “tuítes” (do inglês, “tweets”), na plataforma descentralizada elas são conhecidas como “toots”.

No Mastodon, os usuários são divididos em instâncias, cada uma delas com uma proposta (e moderação) diferentes (Imagem: Reprodução/Mastodon)
No Mastodon, os usuários são divididos em instâncias, cada uma delas com uma proposta (e moderação) diferentes (Imagem: Reprodução/Mastodon)

Para ficar de olho em todos os tuítes e toots, ambas as redes sociais apresentam um feed próprio. No Twitter, uma vez que a conta não tem “Tweets protegidos” ativados, todo post é público e pode receber interações (curtidas, respostas, retuítes e citações) de qualquer outro usuário do mundo. Já no Mastodon, as mensagens têm diferentes opções de privacidade: no feed geral, só são listadas as publicações definidas como públicas, enquanto os envios privados são exclusivos para os próprios seguidores.

Tuítes x Toots

Devido a sua abordagem mais segmentada, o Mastodon permite que usuários acompanhem somente aquilo que interessa naquele momento.

  • Timeline padrão: toots de perfis seguidos, colegas de instância ou de instâncias vizinhas (federadas);

  • Timeline federada: toots de todos os perfis inscritos em instâncias ligadas a sua de alguma forma;

  • Timeline local: toots apenas de colegas de instância.

Em comparação, a Timeline padrão é a mais semelhante ao Twitter. Na Rede do Passarinho Azul, assim como em outras redes sociais, a intenção é manter o usuário com o máximo de conteúdo possível para interagir e se entreter, tudo entregue através de algoritmo. Até dá para ter um feed mais limpo em conteúdo, mas a plataforma busca constantemente entregar material de perfis desconhecidos com base nos gostos do usuário.

No Twitter, todo conteúdo está disponível do feed principal, exceto quando se trata das comunidades (Imagem: Claudio Schwarz/Unsplash)
No Twitter, todo conteúdo está disponível do feed principal, exceto quando se trata das comunidades (Imagem: Claudio Schwarz/Unsplash)

Porém, ao falar das recentes Comunidades do Twitter, a comparação é mais próxima da Timeline local do Mastodon. Somente posts de membros do grupo aparecem nessa seção, limitando significativamente a quantidade de posts no feed.

Recursos extras

Sabe a ferramenta de edição tão pedida no Twitter? No Mastodon, ela começou a ser implementada e distribuída para instâncias.

Na rede descentralizada, existem heranças de outras redes como o Reddit. Existe, por exemplo, o “Aviso de conteúdo”, que permite esconder o post num banner de aviso que pode ser removido ao clicar num botão — útil para evitar spoilers, conteúdo impróprio para ambientes públicos, potenciais gatilhos e outros. No Twitter, tal mecanismo existe apenas para imagens e vídeos.

Disponibilidade em aplicativos

Enquanto o Twitter pode ser acessado por aplicativos desenvolvidos e controlados por ele, o Mastodon também tem o acesso segmentado em diferentes apps — benefício da descentralização e do código-aberto. Além do app oficial (lançado recentemente, inclusive), há alternativas de terceiros, como o Tsuky e o Toot!.

O Mastodon tem app disponível para iOS há mais tempo do que para Android (Imagem: Reprodução/Mastodon)
O Mastodon tem app disponível para iOS há mais tempo do que para Android (Imagem: Reprodução/Mastodon)

A lista é bem grande e, para facilitar, o catálogo de alternativas está disponível no site oficial do Mastodon. Naturalmente, também dá para usar o Mastodon no navegador no PC e no celular (neste caso, como um web app).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos