Mercado abrirá em 7 h 23 min

Entenda como Lula quer fazer de Paulo Guedes o 'calcanhar de Aquiles' de Bolsonaro

(AP Photo/Eraldo Peres)

O recado que saiu do palanque de São Bernardo do Campo (SP) é claro. Lula retoma a cena não apenas para contrapor o PT como alternativa política ao governo de Jair Bolsonaro (PSL), mas principalmente como opositor da agenda econômica -hoje uma espécie de pilar para a pouca estabilidade da gestão bolsonarista.

 SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

BAIXE O APP DO YAHOO FINANÇAS (ANDROID / iOS)

Lula pôs fim ao que muitos chamam hoje de pensamento único na economia brasileira. Em menos de uma hora, fez mais críticas à política do ministro da Economia, Paulo Guedes, do que todos os economistas brasileiros juntos fizeram publicamente nos 11 meses de sua gestão -e ainda partiu para cima da figura pessoal do ministro.

Leia também

Chamou Guedes de "demolidor de sonhos", "destruidor de empregos e de empresas públicas brasileiras" e pinçou do cenário internacional os protestos monumentais no Chile para reforçar que Guedes quer construir no Brasil o modelo que levou pobreza aos aposentados do país sul-americano.

Criticou a proposta de se trocar a carteira de trabalho azul pela verde e amarela, que reduz direitos, e questionou como um presidente que deu um jeito de não trabalhar e se aposentou jovem como militar pôde fazer uma reforma da Previdência que mexeu com os direitos de todos.

Mas, além dessa retórica, a questão é que Lula explorou brechas reais do governo e da economia.

Questionou que, apesar de o juro cair, essa queda não chega à população, o que é um fato. Como ele disse, não chega ao cheque especial, ao consumidor, ao crediário das Casas Bahia, símbolo de compra da baixa renda.

Na semana em que o IBGE apontou avanço na pobreza extrema, Lula retomou também o discurso social que sustentou suas falas desde os anos 1980 e fez isso contrapondo realidades.

Disse que quase metade da população está ganhando R$ 413 por mês e precisa de serviços e programas sociais, incluindo mais transporte, remédios, emprego.

E acusou o governo de tentar criar uma nova classe dirigente financiada pelos donos do dinheiro. Citou as referências populares de empresas fortes: Ambev, do empresário Jorge Paulo Lemann, os bancos Bradesco e Itaú e a XP, maior corretora do país.

Extraiu recados econômicos até de outras bandeiras do governo. Atacando o discurso recorrente de Bolsonaro de que é preciso combater o aumento da violência armando os cidadãos, Lula resgatou a proposta de que segurança social se constrói com emprego, educação e cultura para os mais jovens -a parcela da população que neste momento mais sofre com a lenta recuperação do emprego.

E Lula ainda disse que está disposto a voltar a andar pelo país, "porque não é possível que a gente veja cada vez mais os ricos ficando mais ricos e os pobres mais pobres".

Lá em São Bernardo do Campo, lembrou algo que anda meio esquecido: que não se governa e se faz política pública apenas com falas para eleitores pelo Twitter, funcionários públicos e parlamentares na Esplanada dos Ministérios ou para a Faria Lima. O Brasil é maior.

Da FOLHAPRESS