Mercado abrirá em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    102.814,03
    +589,77 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.796,30
    +303,78 (+0,61%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,63
    +0,68 (+0,97%)
     
  • OURO

    1.790,00
    +4,80 (+0,27%)
     
  • BTC-USD

    57.284,90
    +88,53 (+0,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.445,87
    +16,94 (+1,19%)
     
  • S&P500

    4.655,27
    +60,65 (+1,32%)
     
  • DOW JONES

    35.135,94
    +236,60 (+0,68%)
     
  • FTSE

    7.109,95
    +65,92 (+0,94%)
     
  • HANG SENG

    23.591,68
    -260,56 (-1,09%)
     
  • NIKKEI

    28.375,80
    +91,88 (+0,32%)
     
  • NASDAQ

    16.403,00
    +12,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3333
    +0,0041 (+0,06%)
     

Ensaio de nova vacina anticovid mostra resultados promissores

·2 min de leitura
(Imagem referencial) Pesquisador trabalha em desenvolvimento de vacina em laboratório (AFP/GUILLAUME SOUVANT)

Os primeiros testes de uma vacina contra a covid-19 que aposta em um tipo diferente de imunidade em relação aos imunizantes clássicos apresentaram resultados promissores, diz um estudo publicado nesta terça-feira (23) na revista científica Nature.

Os ensaios de fase 1 do projeto de vacina contra o coronavírus denominado CoVac-1, realizados na Alemanha, mostraram uma resposta imunológica relacionada com os linfócitos T, segundo a pesquisa.

Os linfócitos T são um tipo de glóbulo branco, responsáveis pela segunda etapa da resposta imunológica, a imunidade celular, que completa a ação dos anticorpos através do ataque direto às células infectadas, e não somente contra os vírus que circulam no organismo.

Para a primeira avaliação clínica desta vacina participaram 36 pessoas de 18 a 80 anos de idade, que receberam uma só dose do imunizante experimental.

A CoVac-1 tem como objetivo provocar uma imunidade duradoura contra o SARS-CoV2, produzida através dos linfócitos T, para reproduzir, na medida do possível, a imunidade adquirida através de uma infecção natural.

Esta imunidade induzida pelas células T é uma "resposta importante para o controle dos vírus e poderia ser utilizada para as pessoas com imunodeficiência", segundo o artigo da Nature.

Todos os participantes mostraram uma reação "específica" ao SARS-CoV2 através dos linfócitos T "28 dias depois da vacina, uma reação que persistiu durante ao menos três meses".

Essa resposta superou a provocada pela infecção natural de coronavírus. E não foi "alterada" por nenhuma variante atual (alfa, beta, gama e delta).

Esses resultados são, contudo, muito embrionários e somente testes mais amplos poderão confirmar a viabilidade real desta vacina para proteger contra a covid-19.

Uma vacina clássica provoca no corpo humano a criação de anticorpos após a inoculação de um vírus. Os linfócitos T permitem uma resposta potencialmente mais ampla, mas seu papel na luta contra a covid-19 ainda é pouco conhecido.

Em todo caso, eles podem ser uma ajuda decisiva para os pacientes com câncer que não conseguem desenvolver uma imunidade clássica, diz o estudo.

Além disso, as células T podem facilitar "a produção de anticorpos protetores através das células B", que são outro tipo de glóbulo branco, lembra o artigo publicado na Nature.

ito/jdy/pr/jz/mb/rpr

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos