Mercado fechado
  • BOVESPA

    101.721,79
    -1.092,24 (-1,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.719,41
    -76,89 (-0,15%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,75
    -3,20 (-4,57%)
     
  • OURO

    1.775,50
    -9,70 (-0,54%)
     
  • BTC-USD

    57.450,70
    -624,58 (-1,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.466,09
    +23,31 (+1,62%)
     
  • S&P500

    4.573,89
    -81,38 (-1,75%)
     
  • DOW JONES

    34.528,82
    -607,12 (-1,73%)
     
  • FTSE

    7.059,45
    -50,50 (-0,71%)
     
  • HANG SENG

    23.475,26
    -376,98 (-1,58%)
     
  • NIKKEI

    27.821,76
    -462,16 (-1,63%)
     
  • NASDAQ

    16.125,50
    -265,25 (-1,62%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3676
    +0,0384 (+0,61%)
     

Enquete: você é a favor de um app do Instagram exclusivo para crianças?

·4 min de leitura

O passo atrás dado pelo Instagram parecia ter posto um fim à ideia de construir uma rede social exclusiva para crianças, mas parece que não é bem isso. Muita gente tinha atribuído a desistência à publicação de uma série de documentos internos por veículos de imprensa do mundo, que mostravam relatórios do Facebook sobre o impacto das plataformas sociais da companhia em crianças e adolescentes.

Em entrevista recente ao jornal The Washington Post, o Head do Instagram, Adam Mosseri, disse que a versão infantil da sua rede é "a coisa certa a fazer". Ainda que não tenha revelado a pretensão de retomar o projeto por agora, fica claro na fala do executivo a intenção de dar vida em algum momento no futuro.

A proposta se tornou alvo de autoridades e ativistas de diversas partes do mundo, com uma manifestação negativa recente da Associação Nacional de Procuradores-Gerais (NAAG), dos Estados Unidos. Antes, uma coalizão internacional de 35 entidades atuantes na defesa dos direitos da criança convocou o Instagram a descartar seus planos.

O anúncio da suspensão do desenvolvimento ocorreu no final de setembro e coincidiu com o auge das matérias críticas à companhia, acusada de saber o quão nociva é para meninas adolescentes e não ter agido. Segundo pesquisas internas, a rede ajuda jovens a descobrir problemas psicológicos e até ajuda a superá-los em alguns cenários, mas, por outro lado, intensifica vários sentimentos negativos, como a insatisfação com o próprio corpo.

Hoje, a idade mínima para criar uma conta no Instagram é de 13 anos, mas muitas crianças estão por lá porque a rede apenas solicita o preenchimento da data de nascimento, sem a necessidade comprovação da idade real. É só retroceder alguns anos no nascimento e qualquer pessoa pode adentrar, fato este que seria o maior motivador para Mosseri defender a versão exclusiva.

Sistema de verificação falho

O Facebook usa uma inteligência artificial para encontrar pistas deixadas pelos menores de idade para identificar quem burla a idade mínima, como comentários em posts de aniversários e o tipo de conteúdo acessado. É provável que a rede também tenha alguns outros artifícios não divulgados para ajudar nessa detecção, mas a verdade é que ela é insuficiente para evitar o ingresso de jovens no Instagram.

Na entrevista, Mosseri declarou acreditar que a versão infantil do aplicativo seria útil porque entregaria aos pais o controle e a vigilância sobre a atividade dos filhos na web. A ideia parece, portanto, tirar a responsabilidade dos ombros do Instagram e repassar quase que exclusivamente aos responsáveis. O executivo também afirma ser necessário melhorar a verificação de idade, com alguma técnica relacionada ao sistema operacional em si e não no app.

A empresa reconheceu que o Instagram faz mal para o psicológico de meninas adolescentes (Imagem: Reprodução/Facebook)
A empresa reconheceu que o Instagram faz mal para o psicológico de meninas adolescentes (Imagem: Reprodução/Facebook)

Essa fala dá a entender que a rede poderia usar recursos do Android ou do iOS para identificar usuários, como biometria, microfone e câmera. Isso seria uma solução dificultadora do cadastro, mas nada garante que a criança não possa pedir para uma pessoa mais velha fazer a verificação e continuar a usar o sistema normalmente.

Quem garantirá uma rede segura?

O maior temor quanto de uma rede exclusivamente para crianças é a centralização de um público-alvo muito suscetível a golpes. Se eles já conseguem aliciar jovens em plataformas amplas, imagine ter um lugar onde sabidamente só existem menores de 13 anos? Seria um prato cheio para a ação de estelionatários e pedófilos, caso não haja um sistema rígido de verificação.

É por isso que associações de proteção e defesa dos direitos das crianças, bem como de pais e responsáveis, se mostram tão preocupados com a iniciativa. Todas as ponderações fazem sentido: se há como mentir sobre a idade para entrar no Instagram original, porque não daria para fazer o mesmo na versão kids?

Responda à enquete

São todos esses fatores que fazem as pessoas se perguntar se o Instagram Kids é uma boa ideia. O Canaltech está com uma enquete no Twitter que pretende ouvir a sua opinião sobre essa polêmica: você é a favor de um app do Instagram exclusivo para crianças?

Vote agora e deixe o CT saber o que você pensa.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos