Mercado abrirá em 1 h 40 min
  • BOVESPA

    107.249,04
    -1.819,51 (-1,67%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.078,70
    +352,74 (+0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,43
    +0,97 (+1,36%)
     
  • OURO

    1.805,90
    +4,40 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    17.231,09
    +407,49 (+2,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,01
    +12,32 (+3,12%)
     
  • S&P500

    3.963,51
    +29,59 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    33.781,48
    +183,56 (+0,55%)
     
  • FTSE

    7.492,25
    +20,08 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    19.900,87
    +450,64 (+2,32%)
     
  • NIKKEI

    27.901,01
    +326,58 (+1,18%)
     
  • NASDAQ

    11.682,50
    +37,00 (+0,32%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5314
    +0,0308 (+0,56%)
     

Enquanto estudava o Sol, observatório da NASA fotografa trânsito da Lua

Desde 2010, a missão Solar Dynamics Observatory (SDO), da NASA, vem observando as atividades do Sol e das variações que afetam nossa vida e tecnologias na Terra. Assim, em 16 de outubro, uma convidada apareceu durante uma observação da sonda: a Lua. O nosso satélite natural realizou um trânsito de quase uma hora de duração.

O trânsito da Lua em frente ao Sol ocorreu das 15h03 às 15h53 no horário local, de modo que durou cerca de 50 minutos. No pico do trânsito, a Lua chegou a cobrir 44% da superfície do Sol, e acabou cobrindo também dois sensores de orientação da sonda — neste momento, é possível notar uma breve instabilidade nas imagens. Mesmo assim, a SDO recuperou sua estabilidade logo depois do trânsito.

Confira a animação que mostra o trânsito lunar em velocidade acelerada:

(Imagem: Reprodução/NASA’s Goddard Space Flight Center/SDO/Joy Ng)
(Imagem: Reprodução/NASA’s Goddard Space Flight Center/SDO/Joy Ng)

A SDO captou as imagens em luz ultravioleta extremo, um comprimento de luz que não pode ser visto pelos olhos humanos. Atualmente, a metade inferior do Sol apresenta duas regiões ativas, onde há áreas de campos magnéticos intensos que costumam estar relacionadas à atividade solar e erupções. Como o Sol iniciou o seu 25º ciclo, os cientistas esperam mais atividade nessa região durante os próximos meses: cada ciclo solar dura aproximadamente 11 anos e, embora o ciclo atual tenha se mostrado tranquilo até o momento, os especialistas acreditam que haverá um pico de atividade em 2025.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: