Mercado fechado
  • BOVESPA

    130.091,08
    -116,88 (-0,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.908,18
    -121,36 (-0,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,77
    +0,65 (+0,90%)
     
  • OURO

    1.856,00
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    40.135,59
    -40,85 (-0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    995,25
    -15,36 (-1,52%)
     
  • S&P500

    4.246,59
    -8,56 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    34.299,33
    -94,42 (-0,27%)
     
  • FTSE

    7.172,48
    +25,80 (+0,36%)
     
  • HANG SENG

    28.621,19
    -17,34 (-0,06%)
     
  • NIKKEI

    29.369,12
    -72,18 (-0,25%)
     
  • NASDAQ

    14.042,00
    +11,75 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1120
    -0,0059 (-0,10%)
     

Eni é 1ª petroleira a vender títulos em euros ligados a emissões

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A gigante italiana de energia Eni é a primeira petroleira a vender títulos em euros atrelados à redução das emissões de carbono.

É mais um sinal da expansão do financiamento da dívida ambiental, que tem atraído todos os tipos de empresas, até mesmo as responsáveis pelas emissões de carbono. A Eni vendeu 1 bilhão de euros (US$ 1,2 bilhão) em títulos ligados à sustentabilidade, ou SLBs, na sigla em inglês, segundo uma pessoa a par do assunto.

“É um bom teste para ver se o mercado está pronto para financiar os planos de transição das empresas”, disse Ronald van Steenweghen, gestor da Degroof Petercam Asset Management, em Bruxelas, que possui alguns títulos atrelados à sustentabilidade.

Outras empresas europeias de energia, como a refinaria Neste, venderam títulos verdes, cujos recursos devem ser usados em projetos ambientais específicos. A Eni é a primeira a emitir em euros porque os SLBs vinculam os pagamentos de juros a metas predeterminadas ambientais, sociais ou de governança, ou ESG na sigla em inglês.

Uma variedade crescente de empresas, até algumas que muitos fundos éticos tradicionais excluiriam, ajudou a impulsionar as vendas de SLBs na Europa este ano para mais de 10 bilhões de euros, ou 150% do volume total em 2020. Isso aumenta a preocupação de que os objetivos estabelecidos para as empresas garantirem taxas de juros mais baixas sejam muito fáceis e possam representar o chamado greenwashing, ou a prática de maquiar metas ambientais.

A Eni, que publicou a primeira estrutura de financiamento vinculada à sustentabilidade do mundo em seu setor no mês passado, planeja alcançar a neutralidade total em carbono até 2050, com indicadores-chave de desempenho vinculados à energia renovável e emissões.

A Eni aproveitou o feedback positivo de investidores e as condições favoráveis para vender os títulos na segunda-feira, disse uma fonte. A empresa não planeja mais emissões de SLBs este ano.

A empresa vendeu os SLBs a 50 pontos-base em relação aos midswaps, abaixo da meta inicial de cerca de 75 pontos-base, e os cupons podem aumentar se não atender às metas de energia renovável e emissões, de acordo com a pessoa, que falou sob anonimato.

A concessionária italiana Enel foi a primeira empresa a vender SLBs em dólares e em euros em 2019, e a Aeroporti di Romuma emitiu SLBs em euros em abril. A refinaria de petróleo polonesa PKN Orlen vendeu títulos vinculados a ESG em zlotys em março.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.