Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.878,18
    -456,04 (-1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Engie Brasil prevê agravamento do risco hidrológico nos próximos meses, diz CFO

·3 minuto de leitura
Marca da companhia na França

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Engie Brasil Energia, da francesa Engie, prevê que o risco hidrológico vai se agravar ainda mais nos próximos meses e se prepara para evitar impactos por meio de uma estratégia de gestão de portfólio, afirmou nesta quinta-feira o diretor financeiro da companhia, Marcelo Malta.

Para enfrentar o cenário, a Engie --maior geradora de energia privada do Brasil-- conta com a geração do complexo termelétrico a carvão Jorge Lacerda, em Santa Catarina, além de deixar parte de sua energia descontratada. Caso necessário, a empresa vai a mercado comprar energia, pontuou o executivo.

"Essa hidrologia é uma das piores da série histórica, então realmente a questão é muito grave, isso requer um tremendo de um desafio para o nosso pessoal de gestão de portfólio", afirmou Malta, durante apresentação dos resultados do primeiro trimestre a analistas e investidores.

"Nossa expectativa para os próximos meses é que o GSF (nome técnico para risco hidrológico) se agrave ainda mais... Nós temos bastante experiência, capacidade de fazer projeções que a gente tem verificado muito próximas da realidade e isso nos dá tranquilidade de que conseguiremos fazer essa gestão de forma adequada."

Malta pontuou que o complexo Jorge Lacerda, que tem funcionado como o "hedge" para GSF, está à venda e que negociações bilaterais com a Fram Capital, iniciadas em 25 de fevereiro, estão avançando.

Dessa forma, a empresa poderá manter uma parcela maior de energia descontratada para se proteger do cenário desafiador da hidrologia.

"O que é feito é já prever uma parcela maior de energia descontratada. Então é possível também que a gente continue comprando energia caso o ativo seja vendido por um período de curto prazo, o que nos garante também esse 'hedge' por mais algum tempo", afirmou.

A venda de Jorge Lacerda, de 857 MW, vem como uma estratégia de descarbonização da companhia, destacou o gerente de Relações com Investidores da Engie, Rafael Bósio.

A térmica a carvão Pampa Sul (345 MW), no Rio Grande do Sul, também foi colocada à venda e teve inicialmente 12 interessados. A empresa está atualmente selecionando os potenciais compradores, segundo os executivos.

Enquanto busca vender operações de carvão, a empresa incrementou nos últimos cinco anos entre 600-700 MW em capacidade eólica e está agregando ainda mais 360 MW com o projeto em construção Conjunto Eólico Campo Largo II, cujas operações tiveram início no primeiro trimestre, disse Bósio.

Outro importante projeto, o Conjunto Eólico Santo Agostinho, no Rio Grande do Norte, cujas obras estão previstas para iniciar em junho, agregará 434 MW e deve ser entregue em 2023.

INDEXADORES

Malta também afirmou, durante a conversa com analistas, que poderá pleitear junto à reguladora Aneel substituir o IGP-M como indexador em contratos de venda de energia.

"Por conta desse recente comportamento do IGP-M, considerando que temos um saldo no nosso passivo de concessões a pagar, a aplicação do IGP-M sobre esse saldo acaba gerando impacto significativo na nossa despesa financeira", afirmou.

"Como hoje não é tão comum vender energia indexada ao IGP-M, a gente está avaliando nesse momento a possibilidade de pleitear à Aneel a troca do nosso indexador. A gente está fazendo algumas projeções para avaliar se esse é o momento adequado de fazer essa troca, mas isso está previsto nas regras da Aneel. Já fizemos isso no passado."

(Por Marta Nogueira)