Mercado fechará em 4 h 28 min
  • BOVESPA

    101.189,49
    +425,89 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.448,59
    +153,76 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    111,07
    +1,50 (+1,37%)
     
  • OURO

    1.821,10
    -3,70 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    20.708,08
    -43,74 (-0,21%)
     
  • CMC Crypto 200

    451,11
    +1,04 (+0,23%)
     
  • S&P500

    3.874,53
    -25,58 (-0,66%)
     
  • DOW JONES

    31.341,29
    -96,97 (-0,31%)
     
  • FTSE

    7.330,95
    +72,63 (+1,00%)
     
  • HANG SENG

    22.418,97
    +189,45 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    27.049,47
    +178,20 (+0,66%)
     
  • NASDAQ

    11.908,50
    -132,00 (-1,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5238
    -0,0203 (-0,37%)
     

Engenheiros querem transformar arranha-céus em baterias gigantes

Pesquisadores do Instituto Internacional de Análise de Sistemas Aplicados (IIASA), em Viena, na Áustria, desenvolveram um novo sistema capaz de transformar arranha-céus em baterias gigantes de gravidade, que poderiam ser usadas no armazenamento de energia renovável.

Segundo os cientistas, o dispositivo inovador chamado Lift Energy Storage System (LEST, na sigla em inglês) aproveitaria os sistemas de elevadores já existentes em edifícios mais altos para liberar energia por meio da gravidade, acionando um gerador instalado no prédio.

“Muitos desses edifícios já são projetados com sistemas de frenagem regenerativa que podem coletar energia à medida que um elevador desce. Nós precisaríamos apenas aproveitar o espaço vago nesses prédios para criar uma bateria de gravidade muito mais barata, uma vez que a construção em si já está pronta”, explica o engenheiro Julian Hunt, autor principal do estudo.

Armazenamento gravitacional

O sistema de armazenamento gravitacional proposto pelos cientistas utilizaria o tempo de inatividade dos elevadores para mover itens pesados — como recipientes cheios de areia molhada — do fundo até o topo de prédio. Com esse vai e vem, seria possível gerar eletricidade ser usada no próprio edifício ou vendida de volta para a rede elétrica.

Pesos podem ser movidos para o topo do edifício para "carregar" um arranha-céu e, em seguida, liberados usando a frenagem regenerativa para "descarregá-lo" (Imagem: Reprodução/IIASA)
Pesos podem ser movidos para o topo do edifício para "carregar" um arranha-céu e, em seguida, liberados usando a frenagem regenerativa para "descarregá-lo" (Imagem: Reprodução/IIASA)

A equipe também sugere a utilização de robôs autônomos para realizar o trabalho de pegar os pesos e rebocá-los para dentro e para fora dos elevadores. Esses bots seriam programados com algoritmos capazes de determinar os momentos mais apropriados para o transporte das cargas, sem atrapalhar o fluxo de pessoas no prédio.

“Esse conceito do LEST veio a mim depois de passar um tempo considerável subindo e descendo em um elevador desde que me mudei recentemente para um apartamento no 14.º andar. Comecei a pensar o quanto de energia esse sobe e desce poderia gerar em um único dia”, acrescenta Hunt.

Gerador poderoso

De acordo com o estudo publicado na revista Energy, elevadores inteligentes equipados com um motor de engrenagem síncrono de ímã permanente podem operar com eficiências próximas a 92%. Esse sistema pode ser ainda mais eficiente quando combinado com elevadores de última geração, que usam dispositivos magnéticos sem cabos.

Robô autônomo usado para transportar cargas pesadas para dentro dos elevadores (Imagem: Reprodução/IIASA)
Robô autônomo usado para transportar cargas pesadas para dentro dos elevadores (Imagem: Reprodução/IIASA)

Como em qualquer sistema novo, ainda há alguns detalhes que precisam ser refinados antes que o LEST possa ser implantado. Isso inclui encontrar espaço para armazenar os pesos — dos quais o dispositivo depende — na parte superior do edifício quando o sistema estiver totalmente carregado, e na parte inferior do prédio durante o período de repouso.

“Esse sistema poderia armazenar literalmente uma tonelada de energia no verão e liberar suas reservas gradualmente ao longo do inverno. As vantagens são evidentes e resta agora que os formuladores de políticas públicas criem formas para incentivar que os edifícios mais altos de uma cidade sejam transformados em geradores de energia renovável”, encerra Julian Hunt.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos