Mercado abrirá em 5 h 14 min
  • BOVESPA

    116.230,12
    +95,66 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.046,58
    +616,83 (+1,36%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,39
    -0,13 (-0,15%)
     
  • OURO

    1.726,90
    -3,60 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    20.264,80
    +358,44 (+1,80%)
     
  • CMC Crypto 200

    459,30
    +13,87 (+3,11%)
     
  • S&P500

    3.790,93
    +112,50 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    30.316,32
    +825,43 (+2,80%)
     
  • FTSE

    7.052,59
    -33,87 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.060,05
    +980,54 (+5,74%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.585,75
    -55,00 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1553
    -0,0126 (-0,24%)
     

Enfermeiro é o primeiro do grupo de suspeitos a depor sobre morte de Maradona

·1 min de leitura


As investigações sobre a morte de Diego Armando Maradona prosseguem na Argentina. Ricardo Omar Almirón, enfermeiro e uma das últimas pessoas a estarem na presença do ex-jogador em vida, é o primeiro do grupo de suspeitos a depor sobre o caso. Nesta segunda-feira, inicia-se as audiências no Ministério Público local em que os acusados podem responder por "homicídio simples com dolo eventual".
+ Confira a classificação dos grupos da Copa América!

Almirón é um dos suspeitos mais importantes da investigação. Cuidador noturno de Maradona, o MP acredita que o enfermeiro pode ter mentido sobre as condições do craque horas antes de seu falecimento. Segundo ele, o ex-capitão da seleção argentina respirava regularmente, enquanto a necropsia apontou que Maradona "começou a morrer pelo menos 12 horas antes".

O relatório de junta médica que investiga a morte de Maradona apontou que o argentino foi "abandonado à própria sorte" pela equipe de saúde e ponderou que antes de sua morte, no dia 25 de novembro, o ex-jogador sofreu um "prolongado período de agonia". O relatório realizado a pedido da justiça argentina foi elaborado por uma equipe interdisciplinar constituída de 20 peritos convocados pela Procuradoria-Geral de San Isidro, em Buenos Aires.

Assim, os suspeitos podem ser condenados de 8 a 25 anos de prisão. Além de Ricardo Omar Almirón, o neurocirurgião Leopoldo Luque é uma das peças mais importantes no quebra-cabeça do Ministério Público Argentino. A coordenadora de internação domiciliar Nancy Edith Forlini, o psicólogo Carlos Ángel Díaz e a psiquiatra Agustina Cosachov também são suspeitos da morte de Diego Armando Maradona.