Mercado abrirá em 3 h 46 min

Enem: às vésperas da prova, Defensoria recomenda adiar exame no Rio por risco de aumento do contágio

·2 minuto de leitura
Foto: Fotoarena / Agência O Globo

Os defensores de Direitos Humanos da Defensoria Pública da União (DPU) no Rio de Janeiro enviaram ontem recomendação ao presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), Alexandre Lopes, e ao Ministro da Educação, Milton Ribeiro, para que seja suspensa a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no estado. A primeira prova está marcada para o próximo domingo.

No documento, os defensores ressaltam que, embora as crianças e adolescentes sejam menos afetados pela Covid-19, eles são vetores da doença. Além disso, fazem referência à defesa do adiamento do exame, feita pelo governador do Rio, Claudio Castro.

De acordo com a DPU, a realização do Enem neste momento de crescimento da disseminação do vírus no estado seria um risco à saúde, especialmente de pessoas de grupos vulneráveis com quem muitos destes jovens convivem diária e constantemente.

Na últoma, a recomendação para o adiamento das provas também foi encaminhada ao governador em exercício Cláudio Castro e ao prefeito Eduardo Paes.

Os defensores Shelley Duarte Maia e Thales Arcoverde Treiger destacam ainda que o estado vivencia um segundo pico de contaminações e mortes, com sobrecarga do sistema de saúde pública. O Boletim Epidemiológico de 07/01/2021, mencionado no documento, indica que a letalidade da Covid-19 na cidade do Rio é de 8,9%, uma das cidades com mais mortes entre as capitais brasileiras, e que representa 229,9 mortos a cada 100 mil habitantes.

O documento diz que o adiamento visa evitar aglomerações e possível contaminação de alunos e profissionais empenhados na aplicação das provas. A DPU pede ainda que o Enem seja reaplicado em nova data que não prejudique o acesso dos estudantes às universidades.

A Defensoria estipulou prazo de 24 horas para que as autoridades possam responder ao pedido, informando as medidas implementadas ou as razões para o não acolhimento do recomendado.

Procurados pelo EXTRA, o Inep e a secretaria estadual de Saúde não se manifestaram até o fechamento desta edição. Já a prefeitura do Rio afirmou que a prova está mantida pela Justiça e que analisa a situação junto à secretaria de Sáude e ao comitê de enfrentamento da Covid.