Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    46.533,53
    +286,86 (+0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7583
    +0,0194 (+0,29%)
     

Enel vê mais oportunidades em renováveis nos EUA com governo Biden

Stephen Jewkes
·1 minuto de leitura

Por Stephen Jewkes

MILÃO (Reuters) - A elétrica Enel vê mais oportunidades para seus negócios de energia renovável nos Estados Unidos, onde as perspectivas melhoraram após a chegada de Joe Biden à presidência, disse o chefe da unidade de geração limpa do grupo italiano nesta sexta-feira.

"Já temos um plano ambicioso, então não vou dizer que vamos mudá-lo... mas as perspectivas estão mais positivas, haverá mais oportunidades", afirmou o presidente-executivo da Enel Green Power, Salvatore Bernabei.

A Enel espera adicionar mais 1 gigawatt de capacidade renovável nos EUA neste anos, e as oportunidades poderão incluir novos contratos de fornecimento de energia para empresas, segundo ele.

Desde que assumiu o cargo, o presidente norte-americano, Joe Biden assinou uma série medidas para combater as mudanças climáticas, à medida que busca fortalecer políticas "verdes" que considera que podem impulsionar a criação de empregos.

Bernabei, que assumiu a unidade de renováveis em outubro, disse que a Enel Green Power também planeja crescer na Europa, especialmente na Itália, Espanha e Romênia. O grupo está monitorando Alemanha e França, mas não possui planos de curto prazo nesses países.

Ele acrescentou, porém, que a empresa não está em busca de aquisições.

"Podemos contar com um enorme pipeline de projetos de 140 gigawatts até 2030", afirmou.

(Reportagem de Stephen Jewkes)