Mercado fechará em 41 mins
  • BOVESPA

    110.965,29
    -2.465,25 (-2,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.640,11
    +75,84 (+0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,46
    -2,41 (-3,06%)
     
  • OURO

    1.941,70
    -3,60 (-0,19%)
     
  • BTC-USD

    22.970,63
    -196,41 (-0,85%)
     
  • CMC Crypto 200

    519,64
    +276,96 (+114,13%)
     
  • S&P500

    4.055,36
    -21,24 (-0,52%)
     
  • DOW JONES

    33.758,94
    -327,10 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.761,11
    -10,59 (-0,14%)
     
  • HANG SENG

    22.072,18
    +229,85 (+1,05%)
     
  • NIKKEI

    27.346,88
    +19,77 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.129,50
    -22,50 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5590
    +0,0434 (+0,79%)
     

Endividamento fecha 2022 em nível histórico e atinge 77,9% da população

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Still de mãos segurando alguns carnês de contas. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Still de mãos segurando alguns carnês de contas. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O endividamento das famílias chegou a um patamar inédito no Brasil em 2022. Segundo levantamento da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) divulgado nesta quinta-feira (19), 77,9% dos consumidores fecharam o ano com alguma dívida a vencer -o quarto recorde consecutivo.

O valor representa um aumento de sete pontos percentuais em relação a 2021, quando a taxa foi de 70,9%.

O cenário atual é reflexo do aumento do endividamento das famílias durante a pandemia, que agora precisam carregar dívidas caras num período de inflação alta e taxa de juros elevada.

Os dados integram a Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor), que consultou cerca de 18 mil pessoas em todas as capitais do Brasil e Distrito Federal.

O levantamento usa o mesmo conceito de dívida do Banco Central, que considera todos os valores a vencer contratados com instituições financeiras -cartão de crédito, cheque especial e carnê de loja, por exemplo. Os dados, portanto, não necessariamente significam que as contas estejam atrasadas.

A proporção de pessoas com contas a pagar no Brasil subiu 14,3 pontos em relação a 2019, antes da pandemia. A série histórica mostra como a crise sanitária mudou a tendência que vinha se desenhando no Brasil.

Antes, o endividamento seguia tendência de queda, especialmente entre os mais pobres. Agora o cenário é oposto. Em relação a 2021, as dívidas cresceram com mais intensidade nas faixas de renda mais baixas.

O levantamento da CNC mostra que 78,9% das pessoas que recebem menos de dez salários mínimos têm contas a pagar. Na faixa superior, a taxa é de 74,3%.

A pesquisa também detalhou o perfil do brasileiro endividado hoje. A maioria das pessoas são mulheres, com até 35 anos, ensino médio incompleto, renda de até dez salários mínimos e que moram nas regiões Sul e Sudeste do país.

Endividamento freia crescimento econômico Outro problema revelado pela pesquisa é a quantidade de pessoas com nível muito elevado de contas a pagar. Nunca antes tantas pessoas (17,6%) disseram estar superendividadas, ou seja, com vencimentos que comprometem boa parte da renda.

Na média, a cada R$ 1.000 recebidos, o brasileiro gastou R$ 302 com o pagamento de dívidas. No entanto, um a cada cinco consumidores (21,5%) precisou usar mais da metade da renda para arcar com as obrigações financeiras.

Guilherme Mercês, diretor de economia e inovação da CNC, lembrou que o endividamento foi assunto recorrente durante a campanha eleitoral, dado a sua importância para o crescimento econômico.

Ele destaca que a necessidade de carregar dívidas muito caras causa um aperto no orçamento familiar o que, por sua vez, impede o aumento do consumo, mitiga efeitos de programas de transferência de renda e prejudica a retomada do mercado de trabalho. A consequência disso é um constrangimento no crescimento econômico do Brasil.

O diretor lembrou que o tema está no radar do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Recentemente, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou que pretende lançar um programa para tratar do assunto .

Em coletiva para divulgação dos dados da CNC, Mercês destacou que o superendividamento é um problema que atinge tipicamente as famílias de baixa renda, e aproveitou para vincular o tema com a atual discussão sobre contas públicas.

"Se o superendividamento é um problema para as famílias mais pobres -e esse superendividamento diz respeito ao custo do crédito e à inflação que aperta o orçamento--, um dos fatores primordiais para resolver esse problema é ter uma economia brasileira com juros mais civilizados, mais saudáveis. Juro alto é sinônimo de dívida cara", afirmou.

A declaração toca em uma das discussões que vem ganhando centralidade nos primeiros dias de governo Lula. Cobrado sobre os compromissos que terá com a responsabilidade fiscal, o presidente vem defendendo a importância da responsabilidade social. Economistas, porém, argumentam que os assuntos não são necessariamente antagônicos.

Para o diretor da CNC, programas de renegociação de dívidas são fundamentais para estancar a angústia dos brasileiros endividados. "Mas, em termos estruturais, o que vai resolver o problema é uma taxa de juros mais baixa que permita que o custo do crédito fique mais barato."