Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.559,43
    +703,66 (+2,95%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Endividamento familiar bate recorde em setembro, segundo o BC

·1 min de leitura
O endividamento familiar corresponde a 49,9% da renda acumulada nos últimos 12 meses. (Getty Imagens)
O endividamento familiar corresponde a 49,9% da renda acumulada nos últimos 12 meses. (Getty Imagens)
  • Famílias brasileiras devem aproximadamente metade da renda obtida no último ano

  • Índice é o maior desde setembro de 2020

  • Levantamento feito pelo BC teve metodologia alterada.

O BC (Banco Central) publicou nesta terça-feira (28/12) informações relativas ao endividamento das famílias com o bancos no Brasil. Em setembro, último dado disponível, o endividamento familiar corresponde a 49,9% da renda acumulada nos últimos 12 meses. A marca é um novo recorde do endividamento nacional.

Desde setembro de 2020 o nível do endividamento familiar está em crescimento e chega ao seu ápice no último mês de setembro. O índice de 49,9% significa que as famílias brasileiras estão devendo metade daquilo que receberam entre setembro de 2020 e setembro de 2021.

Leia também:

O valor de 49,9% é 0,7% maior do que índice de agosto deste ano e representa um aumento de 8,1% em comparação a setembro do ano passado. Os brasileiros também estão dispondo uma maior parte da sua renda para pagar as dívidas: 26,2%, em média. O indicador é 0,5% maior ao mês de agosto e 1,7% mais alto em comparação ao último ano.

Fórmula do cálculo

O BC alterou a metodologia de cálculo do índice de endividamento das famílias. A nova fórmula acrescenta novas fontes de renda, como rendimentos extraordinários, auxílios emergenciais, 13º salário, saques emergenciais do FGTS e férias e exclui dividendos provenientes de aluguéis, distribuição de lucros e investimentos.

Segundo o BC, o novo sistema de índices informados são menores que os da séries anteriores, mas as trajetórias permanecem as mesmas ao longo prazo.

Com informações do G1 e Folha de São Paulo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos