Mercado fechará em 5 h 17 min
  • BOVESPA

    106.736,63
    -1.714,57 (-1,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.096,46
    -345,75 (-0,76%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,56
    -0,59 (-0,72%)
     
  • OURO

    1.657,00
    -13,00 (-0,78%)
     
  • BTC-USD

    19.011,41
    -353,89 (-1,83%)
     
  • CMC Crypto 200

    433,55
    -12,43 (-2,79%)
     
  • S&P500

    3.631,91
    -87,13 (-2,34%)
     
  • DOW JONES

    29.141,54
    -542,20 (-1,83%)
     
  • FTSE

    6.848,36
    -157,03 (-2,24%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.171,50
    -384,25 (-3,33%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2699
    +0,0373 (+0,71%)
     

Endividamento e inadimplência atingem os maiores patamares em 12 anos

Pesquisa mostra que oito a cada dez famílias brasileiras têm ao menos uma dívida (Getty Image)
Pesquisa mostra que oito a cada dez famílias brasileiras têm ao menos uma dívida (Getty Image)
  • Levantamento do CNC mapeou o endividamento de brasileiros

  • O índice alcançou o maior patamar desde que pesquisa começou a ser realizada

  • Estudo mostra que 78% das famílias brasileiras estão endividadas

Dever dinheiro compromete a renda, dificulta o acesso à crédito e limita o orçamento do dia a dia. Mesmo assim, oito a cada dez famílias brasileiras têm ao menos uma dívida, de acordo com uma pesquisa divulgada nesta segunda-feira (8) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC).

O índice coloca o país no maior patamar desde 2010, quando o levantamento começou a ser feito. O estudo aponta que 78% das famílias brasileiras estão endividadas, enquanto 29% estão com contas atrasadas.

"A alta dos indicadores de inadimplência, após queda nos meses de abril, maio e junho, indica que as medidas extraordinárias de suporte à renda, como os saques extras do FGTS e a antecipação do 13º salário aos beneficiários do INSS, aparentemente tiveram efeito momentâneo no pagamento de contas ou dívidas já atrasadas, concentrado no segundo trimestre deste ano”, disse em nota o presidente da CNC, José Roberto Tadros.

O CNC identificou que ocorreu um leve crescimento, de 10,6% para 10,7%, na parcela das famílias que dizem que não terão condições de pagar as contas. A maior parte das pessoas desse grupo são os consumidores que não concluíram o ensino médio (13%). Eles também são os que mais precisaram atrasar pagamentos no mês de julho (33,3%).

“As classes de despesas das famílias que ganham menos são justamente as que tiveram maiores aumentos recentes de preços, então elas acabam gastando uma parcela maior do orçamento para fazer frente ao aumento da inflação", afirmou em nota Izis Ferreira, economista da CNC, responsável pela pesquisa.