Mercado abrirá em 3 h 9 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,80
    +0,82 (+1,03%)
     
  • OURO

    1.811,50
    +1,90 (+0,10%)
     
  • BTC-USD

    17.361,95
    +342,97 (+2,02%)
     
  • CMC Crypto 200

    412,14
    +10,71 (+2,67%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.558,45
    +2,22 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.518,29
    +842,94 (+4,51%)
     
  • NIKKEI

    27.820,40
    +42,50 (+0,15%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -31,25 (-0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4929
    -0,0011 (-0,02%)
     

Endividamento e inadimplência crescem no país em agosto, diz CNC

O percentual de famílias endividadas (com atraso ou não) e inadimplentes (com contas em atraso) aumentou em agosto deste ano. O endividamento atingiu 67,5% das famílias brasileiras, de acordo com dados divulgados hoje (3) pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), acima dos 67,4% de julho deste ano e dos 64,8% de agosto do ano passado.

Já a inadimplência chegou a 26,7% das famílias em agosto, percentual superior aos 26,3% de julho deste ano e aos 24,3% de agosto do ano passado.

As famílias que não terão condições de pagar suas contas chegou a 12,1% acima de julho (12%) e de agosto do ano passado (9,5%).

Segundo o presidente da CNC, José Roberto Tadros, as famílias com maior renda têm aumentado a poupança em detrimento do consumo, principalmente de serviços, mas as famílias com renda mais baixa têm tido mais necessidade de crédito.

De acordo com a CNC, embora estejam mais endividadas, as famílias reduziram a parcela média da renda comprometida com dívidas em agosto. Entre as famílias endividadas, 21,4% afirmaram ter mais da metade da renda mensal comprometida com o pagamento destas dívidas, a terceira queda consecutiva depois de ter atingido 22,4% em abril.

Ouça na Radioagência Nacional: