Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    57.133,24
    +789,75 (+1,40%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Endividamento dos mais pobres dispara e volta atingir nível recorde

Redação Finanças
·2 minuto de leitura
Brazilian Real, BRL. Woman, money, money, hand. Woman holding bank notes of Brazilian currency.
Segundo levantamento, 22,3% da população com renda de até R$ 2,1 mil está endividada
  • Pesquisa do Ibre/FGV mostra que o endividamento dos mais pobres cresceu e atingiu um nível recorde em abril

  • Dos brasileiros que ganham até R$ 2,1 mil, 22,3% dizem ter dívidas

  • Redução no valor do auxílio emergencial em 2021 ajudou

O endividamento dos pobres teve alta e voltou a atingir um patamar recorde em abril, com o agravamento da pandemia e a diminuição do valor do auxílio emergencial. Uma pesquisa do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas) mostra que 22,3% da população com renda de até R$ 2,1 mil diz estar endividada. As informações são do G1.

Leia também:

Esse nível de endividamento dos brasileiros de classe mais baixa só foi registrado em junho de 2016, durante a crise política e econômica causada pelo impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Apesar de as dívidas terem crescido para todas as faixas de renda, a situação é pior para os mais pobres, já que o valor que sobra para fazer uma reserva para emergências é muito menor. Entre quem ganha mais de R$ 9,6 mil, apenas 3,9% dizer estar com dívidas. 

Redução do auxílio

Em 2020, o valor das parcelas do auxílio emergencial era mais alto, de R$ 600. Isso ajudou muitos brasileiros a ter o mínimo para sobreviver ou até mesmo manter o equilíbrio do orçamento em casa.

Entretanto, em 2021, os valores do benefício vão de R$ 150 a R$ 375, dependendo da família. Enquanto no ano passado, foram gastos quase R$ 300 bilhões com o auxílio, este ano serão investidos R$ 44 bilhões.

Sem melhora

Com a pandemia sem controle no país e o consequente reflexo na economia e no mercado de trabalho, não há tendência de melhora na situação das famílias. 

Segundo os últimos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o Brasil chegou ao maior número de desempregados da história: 14,4 milhões.