Mercado abrirá em 20 mins
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,29
    +1,28 (+1,58%)
     
  • OURO

    1.930,10
    +0,10 (+0,01%)
     
  • BTC-USD

    22.966,19
    -8,18 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,37
    -6,81 (-1,29%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.774,03
    +12,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.045,75
    -61,00 (-0,50%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5168
    -0,0029 (-0,05%)
     

Endividamento das famílias cresce em 2022, apontam estudos

Famílias atingiram uma taxa recorde de endividamento em 2021, aponta estudo
Famílias atingiram uma taxa recorde de endividamento em 2021, aponta estudo
  • Cerca de 88% dos consumidores tem dívida ativas, aponta estudo do Acordo Certo;

  • Crédito foi bastante utilizado pelas famílias devido a queda da renda causada pela pandemia;

  • Endividamento familiar pode a uma queda na atividade econômica brasileira.

Após o país bater recorde de endividados em 2021, com cerca de 70% das famílias comprometidas com dívidas, uma pesquisa realizada pela Acordo Certo, fintech do Grupo Boa Vista, mostrou que atualmente 88% dos consumidores brasileiros possuem dívidas ativas. Desses, 57% afirmam que passam por dificuldades na hora de suprir todas as suas necessidades básicas.

Segundo um levantamento da equipe de Renda Fixa da XP, que utilizou dados do Banco Central, a quantidade de endividados subiu em 21% entre os anos de 2020 e 2021. Por enquanto, o crescimento de 2021 para 2022 é de 4%, aponta o Acordo Certo.

Os dados também representam como o acesso ao crédito segurou a economia do país durante esses anos de pandemia, onde muitas famílias sofreram com queda na renda e tiveram de tomar empréstimos pessoais para conseguir pagar aluguéis, mercados e contas.

Além disso, esses dados são ainda mais preocupantes quando analisados a partir da perspectiva da recuperação econômica brasileira. O consumo familiar é um dos maiores motores do PIB brasileiro e com o orçamento comprometido, essas famílias podem não participar do mercado consumidor neste ano, levando a uma queda na atividade econômica.

Guedes quer liberar FGTS

Para aliviar um pouco a pressão do endividamento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, quer liberar a utilização do saldo do FGTS para o pagamento de dívidas.

"Há várias iniciativas que podemos ter até o fim do ano que devem ajudar a economia a crescer. Podemos mobilizar recursos do FGTS também, porque são fundos privados. São pessoas que têm recursos lá e que estão passando por dificuldades. Às vezes o cara está devendo dinheiro no banco e está credor no FGTS. Por que que não pode sacar essa conta e liquidar a dívida dele do outro lado?" disse o ministro.