Mercado abrirá em 2 h 9 min
  • BOVESPA

    128.767,45
    -497,51 (-0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.129,88
    -185,81 (-0,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,38
    +0,53 (+0,73%)
     
  • OURO

    1.784,30
    +6,90 (+0,39%)
     
  • BTC-USD

    34.016,28
    +2.401,55 (+7,60%)
     
  • CMC Crypto 200

    813,96
    +19,63 (+2,47%)
     
  • S&P500

    4.246,44
    +21,65 (+0,51%)
     
  • DOW JONES

    33.945,58
    +68,61 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.111,82
    +21,81 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.817,07
    +507,31 (+1,79%)
     
  • NIKKEI

    28.874,89
    -9,24 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    14.275,75
    +17,50 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9546
    +0,0348 (+0,59%)
     

Endividamento chega ao sexto mês seguido de alta e atinge 63% das famílias paulistanas, diz Fecomercio

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Com seis meses de crescimento consecutivo, o endividamento atingiu 62,7% das famílias da cidade de São Paulo em maio, segundo pesquisa que a FecomercioSP vai divulgar nesta terça (1º). O índice se aproxima do recorde batido em março do ano passado, de 63,8%.

O levantamento mostra que 2,5 milhões de famílias têm algum tipo de dívida, um aumento de 270 mil desde novembro de 2020. Já as casas com contas em atraso chegam a 19,2%, o maior patamar desde abril do ano passado, e quase 9% dizem que não terão condições de pagar.

A dificuldade de manter as contas em dia está ligada ao preço elevado de alimentos, transportes, gás e energia elétrica, além do desemprego, diz o assessor econômico da entidade, Guilherme Dietze. A segunda onda da Covid-19 também colaborou para o agravamento da situação.

A saída tem sido usar o crédito. Segundo a pesquisa, oito em cada dez famílias têm alguma fatura do cartão de crédito para pagar. O carnê aparece bem atrás, com cerca de 15% dos casos.

Pelas projeções da entidade, o índice de endividamento se mantém elevado nos próximos meses, mas sem novas altas, porque bancos e concessionárias estão investindo em renegociação. “É o famoso ‘ganha-ganha’. A empresa não cobra juros, mas recebe pelo serviço, e a pessoa fica com o nome limpo”, diz Dietze.

Para ele, o cenário deve ser mais favorável no final do ano, com a possível retomada da economia.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos