Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,11 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,12 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,35
    +0,45 (+0,69%)
     
  • OURO

    1.833,70
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    58.009,77
    -695,74 (-1,19%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,29 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,26 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,85 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,42 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.737,75
    +28,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Encontro fatal: Nasa afirma que não temos como evitar desastre com asteroides

Eduardo Sorrentino
·2 minuto de leitura
Encontro fatal: Nasa afirma que não temos como evitar desastre com asteroides
Encontro fatal: Nasa afirma que não temos como evitar desastre com asteroides

Um grupo de cientistas das agências espaciais dos Estados Unidos e Europa realizou recentemente um exercício para estudar as opções para evitar o impacto de um asteroide com a Terra. E os resultados são preocupantes: mesmo que a rocha fosse detectada com seis meses de antecedência, não haveria muito o que poderíamos fazer para evitar um desastre de grandes proporções.

O exercício, que durou quatro dias, considera um asteroide hipotético chamado 2021PDC, com tamanho “entre 34 e 800 metros” e detectado a 56,3 milhões de km de nós. A cada dia os cientistas avançavam algumas semanas no tempo e descobriam mais detalhes da ameaça, como tamanho e trajetória.

No primeiro dia, o asteroide foi descoberto. Neste cenário, uma semana depois os cientistas determinaram haver 5% de probabilidade de impacto seis meses após a descoberta.

No segundo dia a equipe avança no tempo e novas análises da trajetória mostram que 2021PDC “certamente” irá atingir a Europa ou o Norte da África. Começam os esforços para projetar uma missão que possa destruir o asteroide ou alterar a trajetória.

Mas os cientistas concluíram que tais missões não seriam capazes de decolar no curto espaço de tempo antes do impacto. Na vida real, com a capacidade atual não seríamos capazes de lançar qualquer espaçonave em tão pouco tempo.

Uma opção considerada foi detonar um explosivo nuclear próximo ao asteroide, na esperança de destruí-lo ou alterar a rota. “Enviar uma missão para disrupção nuclear poderia reduzir significativamente o risco de danos com o impacto”, disseram, mas não seria capaz de impedir que ele acontecesse.

Neste momento, tudo o que poderia ser feito seria evacuar a região do impacto quanto antes.

Um oficial da Nasa explica que esses exercícios ajudam a comunidade de defesa planetária a se comunicar entre si e com nossos governos para garantir que todos sejamos coordenados caso uma ameaça de impacto potencial seja identificada no futuro.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!