Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.494,56
    -1.107,40 (-3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Encomendas à indústria dos EUA caem em abril mais do que o esperado

·1 minuto de leitura
Homem trabalha em fábrica da IceStone, empresa que trabalha com vidro reciclado, na cidade de Nova York EUA

WASHINGTON (Reuters) - Os novos pedidos de produtos fabricados nos Estados Unidos caíram mais do que o esperado em abril, já que a escassez global de semicondutores pesou sobre a produção de veículos motorizados e equipamentos, eletrodomésticos e componentes elétricos.

O Departamento de Comércio informou nesta sexta-feira que os pedidos às fábricas caíram 0,6% em abril, após aumento de 1,4% em março. Economistas ouvidos pela Reuters previam queda de 0,2%. Os pedidos aumentaram 14,2% em relação a um ano antes.

A manufatura, que responde por 11,9% da economia dos EUA, está sendo beneficiada por uma mudança na demanda por bens de serviços durante a pandemia. Mas a forte demanda está sobrecarregando cadeias de abastecimento.

Os pedidos de produtos de fábrica em abril foram prejudicados por uma redução de 6,1% nas encomendas de veículos automotores e peças. Os pedidos de equipamentos, utensílios e componentes elétricos caíram 0,7%.

O Departamento de Comércio também informou que os pedidos de bens de capital não relacionados à defesa, excluindo aeronaves, que são vistos como uma medida dos planos de gastos das empresas com equipamentos, aumentaram 2,2% em abril, em vez da taxa de 2,3% informada no mês passado.

As encomendas de bens de capital essenciais, que são usados ​​para calcular os gastos empresariais com equipamentos no relatório do Produto Interno Bruto (PIB), aumentaram 0,9%, sem revisão em relação à estimativa do mês passado.

(Por Lucia Mutikani)