Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,05 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,35 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    48.205,68
    +1.078,94 (+2,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,16 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    +197,50 (+1,59%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7797
    -0,0062 (-0,09%)
     

Encomendas à indústria da Alemanha caem em dezembro pela 1ª vez em 8 meses

·1 minuto de leitura
Robô industrial da empresa HAHN Automation na Alemanha

BERLIM (Reuters) - As encomendas de produtos fabricados na Alemanha caíram mais do que o esperado em dezembro, encerrando sete meses de dados positivos uma vez que as restrições para conter o coronavírus pressionaram a demanda de outros países da zona do euro.

Os dados publicados pela Agência Federal de Estatísticas mostraram que as encomendas de bens industriais caíram 1,9% em termos ajustados sazonalmente, contra expectativa em pesquisa da Reuters de queda de 1,0%.

O recuo veio depois de um aumento revisado para cima de 2,7% em novembro, e marcou a primeira queda do indicador desde abril.

"As duras medidas de contenção na Europa estão agora tendo um claro impacto negativo em dezembro", disse Thomas Gitzel, economista-chefe do VP Bank Group.

A indústria orientada para exportação da Alemanha tinha sido poupada até então do pior das restrições pelo coronavírus, enquanto o setor de serviços sofria.

Dados do Ministério da Economia mostraram que as encomendas domésticas recuaram 0,9% no mês, enquanto as do exterior caíram 2,6%. Os contratos da zona do euro despencaram 7,5%.

(Reportagem de Caroline Copley)