Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,63 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,59 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.648,20
    -530,32 (-1,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,61%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,42 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,96 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,75 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1975
    +0,0127 (+0,21%)
     

Enchentes no Afeganistão deixam 60 mortos e 180 desaparecidos

·1 minuto de leitura
Moradores acompanham operações de limpeza e retirada de escombros, após inundações na localidade afegã de Peshghor, na província de Panjshir, em 3 jul. 2021

Cerca de 60 pessoas morreram nas inundações registradas na noite de quarta-feira (28) na província de Nuristão, no nordeste do Afeganistão, e pelo menos 180 ainda estão desaparecidas - informa um novo balanço divulgado pelas autoridades locais nesta sexta-feira (30).

"Descobrimos cerca de 60 corpos - mulheres, homens e crianças -, após a repentina inundação no distrito de Kamdesh", causada por chuvas torrenciais, declarou o governador da província de Nuristão, Hafiz Abdul Qayum, nesta sexta, à AFP.

"Pelo menos 180 pessoas estão desaparecidas. Não sabemos se estão mortas, ou vivas", acrescentou.

Segundo ele, a maioria das casas dos povoados da zona afetada, de difícil acesso, foi destruída.

Esse tipo de catástrofe é frequente no país, sobretudo, nas zonas rurais pobres, onde as casas são de construção precária e se encontram em áreas de risco. As enchentes costumam deixar dezenas de vítimas a cada ano.

Uma inundação repentina matou mais de 100 pessoas em agosto de 2020 na cidade de Charikar, capital da província de Parwan.

A falta de equipamentos e de infraestrutura dificulta as tarefas de resgate e o envio de ajuda para as áreas isoladas deste país empobrecido por 40 anos de guerra e conflitos.

Esta nova tragédia se dá no momento em que o governo luta contra uma ampla ofensiva dos talibãs, que se apoderaram de extensos territórios em poucos meses. Além disso, o Afeganistão enfrenta uma terceira onda de covid-19.

str-mam-ayv/cyb/pz/mar/tjc/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos