Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.186,12
    +739,24 (+1,26%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

Enauta prevê 1ª poço com Exxon e Murphy em Sergipe-Alagoas no 2º semestre

·3 minuto de leitura
Décio Oddone, diretor-presidente da Enauta

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Enauta prevê a perfuração do primeiro poço exploratório em blocos onde tem participação na Bacia de Sergipe-Alagoas no segundo semestre deste ano, afirmou nesta quinta-feira o diretor-presidente Décio Oddone.

A companhia detém 30% de participação em nove blocos em Sergipe-Alagoas, enquanto a operadora Exxon tem 50% e a Murphy Oil os 20% restantes.

"São ativos de alta prospectividade, estão próximos a descobertas relevantes já feitas na região. O licenciamento ambiental já foi protocolado pelo operador", disse Oddone, ao participar de webcast com analistas e investidores de mercado sobre os resultados no quarto trimestre.

Os ativos, segundo balanço financeiro da Enauta, encontram-se em região "de alto potencial exploratório e próximos a descobertas da ordem de 1,2 bilhão de barris". O primeiro poço exploratório a ser perfurado na região será no prospecto Cutthroat, localizado no bloco SEAL–M-428.

A Enauta teve lucro de 38,2 milhões de reais no quarto trimestre, queda 68,7% ante o mesmo período de 2019, com impacto do reflexo cambial dos contratos de arrendamento em moeda estrangeira.

Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) foi de 129,5 milhões de reais, queda de 50,1% na mesma comparação.

A receita do quarto trimestre apresentou queda de 53,8% ante um ano antes, para 186,9 milhões de reais, principalmente em função da redução da produção do campo de Atlanta.

No quarto trimestre, a produção foi realizada por meio de um poço durante 60 dias e teve a produção interrompida nos demais dias. A receita do campo também foi impactada pela queda do preço da commodity, parcialmente compensada pelo efeito positivo do ganho cambial.

A companhia prevê investimentos em exploração, desenvolvimento e produção de 40 milhões de dólares em 2021 e de 105 milhões de dólares para 2022, podendo variar 20% para cima ou para baixo.

POSSÍVEIS AQUISIÇÕES

Oddone reiterou que a empresa está atenta a oportunidades de compra de ativos de petróleo e gás em produção que agreguem valor e contribuam com a diversificação do portfólio da empresa, podendo estar em águas rasas e profundas, assim como em terra.

"Nós precisamos recompor o portfólio de ativos em produção e o momento é favorável para isso. A gente nunca teve no Brasil um mercado de 'M&A' de ativos em produção tão ativo", afirmou, sem citar nomes de ativos que estão à venda ou das empresas que estão negociando.

Mas os comentários vêm em um momento em que a Petrobras colocou diversos campos de exploração e produção à venda, enquanto busca focar na exploração e produção do pré-sal.

A Reuters publicou em fevereiro que a Enauta participou de consórcio que apresentou oferta não vinculante pelos campos de Albacora e Albacora Leste, responsáveis pela produção de 77 mil barris de óleo equivalente por dia, segundo fontes. Participaram do consórcio ainda Talos Energy, EIG Global Energy Partners e 3R.

A Enauta também iniciará em breve a busca por um parceiro para o campo de Atlanta, na Bacia de Santos, para o qual foi iniciada recentemente uma licitação para a contratação da unidade de produção.

(Por Marta Nogueira)