Mercado fechado

Empréstimo consignado pelo Whatsapp? Sim, isso existe

Fabian Valverde, CEO da Paketá (Foto: Divulgação)

Por Matheus Mans

Geralmente, o processo de um empréstimo é cansativo e complicado. É preciso aguardar a análise do banco, esperar alguns dias para receber o dinheiro e, no final, é pago juros altos em cima do valor emprestado. No entanto, uma fintech tenta mudar esse mercado no Brasil e liberar tudo via Whatsapp.

SIGA O YAHOO FINANÇAS NO INSTAGRAM

A Paketá Crédito surgiu no final de 2018 como uma startup que busca facilitar o acesso ao crédito no Brasil para pessoas com vínculo empregatício. Para isso, a fintech firma parcerias com empresas no mercado e fornece empréstimos para os empregados em regime de CLT. Sempre com juros abaixo do mercado e com facilidades no processo.

Leia também

Dentre elas, está a possibilidade de fazer a solicitação de empréstimo via WhatsApp. Um robô de atendimento guia o cliente, faz a análise e libera o crédito dentro de 24 horas. Além disso, enquanto a taxa cobrada por um consignado é entre 1,5% a 4,5% ao mês, o cheque especial e o rotativo do cartão de crédito praticam taxas de 24% e 16%, respectivamente.

“Como o valor das prestações é descontado no contracheque dos funcionários, essa modalidade oferece menos risco à instituição que financia o empréstimo. Assim, os juros ao consumidor são menores”, afirma Fabian Valverde, CEO da Paketá. E não há restrições. “Oferecemos créditos até para quem é negativado. Queremos só o vínculo empregatício”.

Atualmente, a fintech conta com um fundo de investimento com mais de R$ 100 milhões em capital para ser emprestado. A meta é disponibilizar R$ 1 bilhão nos próximos cinco anos.

Por fim, a empresa também planeja disponibilizar sistemas de adiantamento de salários e automatizar ainda mais o WhatsApp, com recursos de voz. “Queremos usar a tecnologia para assegurar a melhor taxa do mercado, fazendo com que a startup continue leve”, diz.

Educação financeira

Um fator que preocupa no empréstimo via WhatsApp é a facilidade de se obter o dinheiro via crédito. Será que as pessoas não irão abusar do recurso? Isso não vai virar uma bola de neve na vida financeira do cliente? Como manter as relações e os créditos saudáveis?

Valverde ressalta que um dos pilares da Paketá é a educação financeira. Para isso, a startup oferece cursos e webinários para ajudar o cliente a compreender melhor o empréstimo e como isso irá afetar a sua vida financeira, contextualizando com seus ganhos.

“Criamos o termo do crédito contextualizado. Queremos que o funcionário tenha consciência do uso de seu dinheiro para que o crédito o ajude de fato”, afirma Valverde. “E oferecemos crédito segundo os desejos do cliente. Não queremos ser uma bola de neve.