Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.953,90
    +411,95 (+0,42%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.743,15
    +218,70 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    108,46
    +2,70 (+2,55%)
     
  • OURO

    1.812,90
    +5,60 (+0,31%)
     
  • BTC-USD

    19.086,62
    -175,71 (-0,91%)
     
  • CMC Crypto 200

    420,84
    +0,70 (+0,17%)
     
  • S&P500

    3.825,33
    +39,95 (+1,06%)
     
  • DOW JONES

    31.097,26
    +321,83 (+1,05%)
     
  • FTSE

    7.168,65
    -0,63 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    21.859,79
    -137,10 (-0,62%)
     
  • NIKKEI

    25.935,62
    -457,42 (-1,73%)
     
  • NASDAQ

    11.610,50
    +81,00 (+0,70%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5587
    +0,0531 (+0,96%)
     

Empresas de saneamento podem quebrar jejum de IPOs no Brasil

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Tatiana Bautzer

SÃO PAULO (Reuters) - Duas empresas de saneamento são candidatas a encerrar a seca de ofertas públicas iniciais de ações (IPO, na siga em inglês) no Brasil nos próximos meses.

O setor foi impulsionado pela atualização, em 2020, de marco regulatório para investimentos privados em serviços de água e saneamento. No entanto, os IPOs em todo o mundo vêm desacelerando diante da volatilidade do mercado, sendo que nenhum foi realizado no Brasil até então em 2022.

A BRK Ambiental, que tem a canadense Brookfield Asset Management como acionistas, busca um IPO para financiar sua expansão, de acordo com um prospecto preliminar protocolado na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Ao mesmo tempo, a estatal gaúcha Corsan espera retomar uma planejada privatização por meio de IPO até o próximo mês, segundo documentos disponibilizados pela empresa.

A BRK Ambiental é a segunda maior empresa privada de saneamento do Brasil. A Brookfield tem uma participação de 70% na companhia, adquirida do conglomerado brasileiro Novonor, anteriormente conhecido como Odebrecht.

A empresa planeja uma oferta primária. O BTG Pactual é o coordenador líder. Itaú BBA, Caixa Econômica Federal, Santander Brasil, Bradesco BBI, Citigroup, Safra, Credit Suisse, ABC Brasil e Scotiabank Brasil completam o sindicado de bancos que auxiliará na operação.

A BRK pode levantar até 3 bilhões de reais na oferta, disseram fontes à Reuters quando a empresa começou a considerar a oferta no ano passado.

Já a Corsan, controlada pelo Estado do Rio Grande do Sul, havia pedido registro para IPO em dezembro, mas suspendeu o processo por causa da volatilidade do mercado. A companhia voltou a avançar com a oferta recentemente e o Rio Grande do Sul planeja realizar a operação até julho. O governo estadual já disse publicamente que quer arrecadar cerca de 1,5 bilhão de reais com a transação.

Entre os negócios desencadeados pela mudança regulatória do Brasil em 2020, o fundo de pensão canadense CPPIB adquiriu uma participação de 45% na Iguá Saneamento por 1,1 bilhão de reais no ano passado, empresa que também tentou realizar uma oferta de ações.

Além disso, o Estado do Rio de Janeiro privatizou sua empresa de saneamento Cedae.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos