Mercado fechado

Empresas robóticas de alimentos veem oportunidade com Covid-19

Sarah McBride
O chef robô Zume. Foto: AP/Marcio Jose Sanchez

A empresa agrícola vertical Plenty tem um ponto de venda atípico: os pés de rúcula e couve são cultivados em uma fazenda coberta operada por robôs. Essa nem sempre foi uma proposta vencedora.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Há dois anos, a empresa teve que voltar atrás em um ambicioso plano de expansão internacional ao perceber que não estava pronta para arcar com os custos de novos mercados caros, apesar de ter recebido mais de US$ 200 milhões em financiamento.

Leia também

Mas agora, como a pandemia de coronavírus aumenta as preocupações com segurança alimentar, a Plenty tem um novo ângulo. Desde o plantio até a colheita, as verduras não têm contato com mãos humanas, o que significa menos chances de contaminação pelo vírus. “O que as pessoas parecem querer é saber que sua comida é segura”, disse o CEO Matt Barnard.

A Plenty, que tem o SoftBank entre os investidores, vende verduras embaladas em ambientes fechados e em plantadeiras verticais automatizadas. “Nosso objetivo é que a pessoa que come o alimento seja a primeira a tocá-lo”, disse.

Antes da pandemia, empresas de alimentos preparados por robôs faziam sucesso entre investidores, mas metas ambiciosas de vendas não se concretizavam. No ano passado, a cafeteira-robô Cafe X fechou unidades, enquanto o pseudorrobô café Eatsa e o chef de pizza robótico Zume migraram para diferentes negócios.

A Zume, antes Zume Pizza, levantou US$ 375 milhões com o SoftBank em 2018 com sua visão de fazer com que as máquinas montassem pizzas na traseira de veículos em movimento. Neste ano, a empresa havia demitido 360 funcionários e colocado à venda o ônibus de festa para fazer pizza de dois andares chamado “Martha” com desconto, e voltou a se concentrar em embalagens sustentáveis.

Muitas empresas de alimentos robóticas badaladas não conseguiam obter a economia necessária para justificar suas pesquisas, desenvolvimento e equipamentos, mesmo que fossem capazes de contratar menos humanos. Os robôs também não eram muito atraentes.

Quem quer que um androide tempere sua pizza? Mas as preocupações com a Covid-19 atingiram a preparação de alimentos de maneira particularmente difícil, transformando a lógica dos restaurantes. Agora, o coronavírus deu a essas empresas um novo gancho para a preparação sem a interferência de humanos.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.