Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.845,44
    -1.960,78 (-3,45%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Empresas querem substituir trabalhadores humanos e isso já está acontecendo

·2 min de leitura

“O objetivo da indústria é remover a mão de obra humana da economia”. A frase é do CEO da empresa de robótica Ametek Inc, David Zapico, durante uma entrevista sobre a substituição de trabalhadores de carne e osso por máquinas especializadas diante da escassez de profissionais qualificados.

Executivos de companhias como a Hormel Foods Corp e a Domino's Pizza também compartilham o mesmo pensamento. Segundo eles, as empresas estão investindo em robôs e sistemas de automação para reduzir os custos trabalhistas e por causa da baixa oferta de operários dispostos a realizar tarefas menos rentáveis.

“Se essa tendência continuar crescendo, a demanda por trabalho crescerá lentamente, a desigualdade aumentará e as perspectivas para muitos trabalhadores de baixa escolaridade não serão muito boas a longo prazo”, prevê o economista do MIT Daron Acemoglu, durante uma entrevista ao site Bloomberg.

Mais baratos, sem direitos

A substituição da mão de obra humana por robôs já é uma realidade viável em vários setores da economia. Androides da empresa Knightscope, por exemplo, patrulham locais como perímetros de fábricas com um custo de US$ 3,50 (cerca de R$ 20 na contação atual) por hora. Nos Estados Unidos, o salário mínimo é de US$ 7,25 (aproximadamente R$ 40) por hora trabalhada.

Uma empresa chamada Brain Corp, que fabrica tecnologia central para robôs, anunciou recentemente que de outubro de 2020 a outubro de 2021, o uso de robótica automatizada aumentou drasticamente em vários setores da indústria, especialmente em hospitais com um crescimento de 2.500%, e na educação, com um acréscimo de 426%.

“Nossos robôs autônomos já cobrem todo o espaço comercial dos Estados Unidos e isso equivale a 6,8 milhões de horas trabalhadas por seres humanos. Esse marco representa um claro sucesso da implantação de sistemas automatizados em vários setores econômicos do país”, afirma o CEO da Brain Corp, Eugene Izhikevich.

Futuro distópico

Segundo especialistas, essa mudança na classe trabalhadora representa um caminho sem volta na economia como a conhecemos, combinando transformações nas relações de trabalhos, pressões geradas pela pandemia global e a oportunidade proporcionada pelo desenvolvimento tecnológico dos últimos anos.

A substituição de trabalhadores braçais por máquinas avançadas é apenas o primeiro passo para um futuro em que o serviço pesado e mal remunerado será feito por robôs operários. Esse progresso inevitável traz consigo dilemas éticos e humanitários sobre qual será o destino das pessoas com pouca escolaridade.

“Quanto mais tempo milhões de pessoas ficarem à margem do mercado de trabalho, maior será o risco de que a automação possa piorar as disparidades de renda e riqueza, criando uma classe de trabalhadores desempregados e sem perspectivas. Esse é um sinal de que a revolução dos robôs não está chegando, ela já está aqui”, encerra o economista do MIT Daron Acemoglu.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos