Mercado fechará em 2 h 49 min

Vacina contra o coronavírus: 6 empresas que estão desenvolvendo

Cientistas, empresas farmacêuticas e governos de todo o mundo estão em uma corrida de alta velocidade para produzir e distribuir uma vacina eficaz e segura contra o novo coronavírus. São pelo menos 120 projetos, em diferentes estágios - de testes em humanos a análises de dados - e com previsões distintas para a distribuição ao público. O certo é que nenhuma vacina foi desenvolvida tão rapidamente na história da humanidade.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Veja quem são as empresas e institutos que estão em estágios mais avançados, têm pesquisas mais promissoras ou os maiores investimentos para conseguir chegar em tempo recorde na aguardada vacina.

Leia também

Moderna - Estados Unidos

Meta de produção: 500 milhões a 1 bilhão de doses por ano

Investimentos externos: US$ 483 milhões

A empresa apontada como a líder na corrida pela vacina entra em julho na fase 3 de seu projeto (já com voluntários) e planeja disponibilizar as primeiras doses já no segundo semestre deste ano.

CanSino Biologics - China

Meta de produção: não divulgada

Investimentos externos: não divulgados

A concorrente chinesa da Moderna testou voluntários desde março e teve bons primeiros resultados, mas os investigadores tiveram que pisar no freio para lidar com efeitos colaterais da dose.

Inovio - Estados Unidos

Meta de produção: 1 milhão de doses em 2020

Investimentos externos: US$ 29 milhões

Considerada zebra nos EUA por não ter gigantes farmacêuticas como parceiras e um investimento baixo, a empresa tem avançado rápido em seus estudos, mas esbarra na preocupação com a produção em grande escala.

BioNTech e Pfizer - Alemanha

Meta de produção: milhões de doses em 2020, centenas de milhões em 2021

Investimentos externos: nenhum

As empresas já estavam trabalhando em uma vacina contra o influenza quando a pandemia estourou e apenas mudaram o foco para o coronavírus. A previsão é ter as primeiras doses prontas para distribuição já em outubro.

Universidade de Oxford e AstraZeneca - Reino Unido

Meta de produção: 2 bilhões de doses

Investimentos externos: US$ 2 bilhões

A Universidade de Oxford recebeu US$ 1 bilhão do governo dos EUA para que o país seja o segundo, depois do Reino Unido, a receber as vacinas prontas ainda neste ano. Será testada também no Brasil nas próximas semanas, em parceria com a Unifesp (Universidade Federal de São Paulo).

Instituto Butantã e Sinovac Biotech - Brasil e China

Meta de produção: 100 milhões doses por ano (na China)

Investimentos externos: R$ 85 milhões

Chamada de Coronavac, a vacina produzida pela empresa chinesa terá uma fase de testes clínicos no Brasil em parceria com o instituto paulista. Se bem-sucedida, o acordo não garante que doses produzidas na China venham para o Brasil, e o governo de São Paulo teria que produzi-las aqui.

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.