Mercado fechará em 2 h 22 min
  • BOVESPA

    122.005,53
    +96,50 (+0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.360,49
    -506,66 (-1,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,28
    +0,36 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.836,00
    -1,60 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    56.329,89
    -992,23 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.504,47
    +1.261,79 (+519,94%)
     
  • S&P500

    4.151,56
    -36,87 (-0,88%)
     
  • DOW JONES

    34.256,34
    -486,48 (-1,40%)
     
  • FTSE

    6.947,99
    -175,69 (-2,47%)
     
  • HANG SENG

    28.013,81
    -581,89 (-2,03%)
     
  • NIKKEI

    28.608,59
    -909,71 (-3,08%)
     
  • NASDAQ

    13.350,50
    -6,25 (-0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3541
    +0,0139 (+0,22%)
     

Empresas protestam contra lei que quer proibir propaganda com referência LGBT

Marcus Couto
·1 minuto de leitura
Bandeia LGBTQIA+
Bandeia LGBTQIA+
  • Empresas se manifestaram contra lei que quer proibir propaganda com referências LGBTQIA+

  • Coca-Cola e Facebook estão na lista de empresas.

  • Projeto está em tramitação na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

Um grupo de empresas se manifestou publicamente contra o Projeto de Lei 504/2020, de autoria da deputada estadual Marta Costa (PSD), em tramitação na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp), que busca proibir que peças publicitárias carreguem referências à diversidade sexual e de gênero.

Leia também:

O projeto é um golpe contra a comunidade LGBTQIA+ em sua luta pela superação de preconceitos sociais historicamente enraizados, justamente em um momento em que o assunto avança na pauta do debate público, e passa a integrar mais peças de publicidade.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Finanças no Google News

Texto é considerado retrocesso

Segundo o texto do projeto, referências LGBTQIA+ na publicidade poderiam causar “desconforto emocional a inúmeras famílias” e “estabelecer prática não adequada a crianças que sequer possuem, em razão da questão de aprimoramento da leitura (5 a 10 anos), capacidade de discernimento de tais questões".

Entre as empresas que se manifestaram contra o projeto estão Facebook, Tim, Alpargatas, Unilever, Coca-Cola, Mastercard, Ambev, entre outras – todas marcas que no passado já dialogaram com o público LGBTQIA+ em suas campanhas.

As informações são de reportagem da revista Exame.

Veja, abaixo, algumas das manifestações:

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.
Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Finanças no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube