Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,64
    +1,66 (+2,08%)
     
  • OURO

    1.818,10
    +8,50 (+0,47%)
     
  • BTC-USD

    17.232,84
    +224,21 (+1,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,92
    +6,50 (+1,62%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.221,68
    +546,33 (+2,93%)
     
  • NIKKEI

    27.755,42
    -22,48 (-0,08%)
     
  • NASDAQ

    11.993,00
    -17,25 (-0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5099
    +0,0159 (+0,29%)
     

Empresas de eventos e turismo querem ir à Justiça contra restrições de socorro financeiro do governo

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Empresas do setor de eventos e turismo querem recorrer à Justiça contra o governo porque uma instrução da Receita Federal reduziu a abrangência do socorro financeiro prometido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e que foi chancelado pelo Congresso.

Grandes escritórios de advocacia já estão analisando a medida em nome de empresas, que avaliam questionar o que consideram ser "uma interpretação equivocada da lei".

Segundo Reinaldo Ravelli, sócio do escritório Trench Rossi Watanabe, a norma restringiu demais a abrangência da legislação aprovada pelo Congresso.

"Retiraram empresas do Simples Nacional, por exemplo". "Grande parte do setor, afetado na pandemia, era de pequenas e médias", disse Ravelli.

Além disso, ainda segundo o advogado, a norma restringiu a base de cálculo para isenção de impostos e tributos ao "lucro da exploração".

Ou seja, as empresas terão de separar das receitas e do resultado somente o que for estritamente relacionado à operação em si para efeito do cálculo do benefício fiscal.

"É praticamente impossível", disse Ravelli. "É uma situação estranha, porque a Receita não pode mudar uma lei por meio de instrução normativa."

O presidente da Abrape (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos), Doreni Caramori, discorda. Ele afirmou à reportagem ter acompanhado a discussão com o governo para a criação do Perse (Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos).

O programa definiu uma indenização para empresas que tiveram redução de 50% de seu faturamento entre 2019 e 2020 devido à pandemia.

Nas estimativas da Abrape, a ajuda global do programa será da ordem de R$ 25 bilhões, valor que poderia chegar a R$ 60 bilhões caso a instrução da Receita não fosse restritiva.

"A instrução da Receita é totalmente aderente à lei", disse Caramori. "O objetivo era garantir que somente empresas afetadas pela pandemia na sua operação fossem contempladas."