Mercado fechará em 2 h 30 min
  • BOVESPA

    107.196,40
    -1.254,80 (-1,16%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.428,12
    -14,09 (-0,03%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,47
    +0,32 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.668,60
    -1,40 (-0,08%)
     
  • BTC-USD

    19.443,49
    -120,77 (-0,62%)
     
  • CMC Crypto 200

    444,43
    -1,55 (-0,35%)
     
  • S&P500

    3.629,77
    -89,27 (-2,40%)
     
  • DOW JONES

    29.129,17
    -554,57 (-1,87%)
     
  • FTSE

    6.881,59
    -123,80 (-1,77%)
     
  • HANG SENG

    17.165,87
    -85,01 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    26.422,05
    +248,07 (+0,95%)
     
  • NASDAQ

    11.174,25
    -381,50 (-3,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2714
    +0,0388 (+0,74%)
     

Empresas dos EUA repensam investimento da China por temores com Covid-19, diz pesquisa

WASHINGTON (Reuters) - As medidas de controle da Covid-19 na China superaram as relações conturbadas entre Washington e Pequim como a principal preocupação das empresas norte-americanas no país, disse um lobby empresarial nesta segunda-feira.

O grupo disse que mais da metade de suas empresas relataram o problema como um motivo para cancelar ou adiar investimentos na segunda maior economia do mundo.

"A possibilidade iminente de que as empresas sejam novamente forçadas a interromper parcialmente as operações devido a bloqueios e os impactos dos controles locais sobre a demanda do consumidor minaram a confiança no ambiente de negócios", disse o Conselho Empresarial Estados Unidos-China (USCBC) com base em uma pesquisa anual de 117 empresas associadas.

A maioria das empresas pesquisadas disse que os efeitos negativos das medidas de Covid-19 de Pequim são reversíveis, mas 44% disseram que levará anos para restaurar a confiança dos negócios, disse o USCBC.

Essas políticas, as contínuas tensões entre os países e "significativas barreiras de acesso ao mercado" na China, apesar das garantias governamentais de igualdade de tratamento de empresas estrangeiras, levaram a "níveis recordes de pessimismo", afetando as decisões das empresas sobre cadeias de suprimentos e investimentos futuros, disse o grupo.

No ano passado, 24% das empresas transferiram partes de suas cadeias de suprimentos para fora da China, ante 14% na pesquisa de 2021. O otimismo nas perspectivas de negócios de cinco anos para a China caiu de 88% em 2013 para 51% em 2022.

Ainda assim, "as empresas continuam sendo lucrativas na China", disse o USCBC, com 63% dos entrevistados dizendo que a lucratividade aumentou no ano passado.

(Por Michael Martina e David Lawder)