Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.695,31
    +190,34 (+0,33%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Empresas dos EUA quadruplicam número de latinos em conselhos

Carolina Gonzalez
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- As empresas de capital aberto dos EUA mais do que quadruplicaram a nomeação de executivos latinos para compor seus conselhos de administração no primeiro trimestre, um pequeno passo em direção à diminuição de desigualdades étnicas e raciais entre as principais empresas.

Cerca de 82 latinos ingressaram nos conselhos de empresas de capital aberto entre janeiro e março, ante 19 nomeações no mesmo período do ano passado, segundo dados da Associação Latina de Diretores Corporativos divulgados nesta sexta-feira. Até 33 dessas pessoas estão trabalhando na diretoria pela primeira vez.

Os estados e organizações dos EUA têm se esforçado para forçar as grandes empresas a melhorar a diversidade no ambiente corporativo, especialmente nos conselhos de administração. Em setembro, a Califórnia aprovou uma lei que exige que as empresas públicas sediadas no estado tenham pelo menos um diretor de um grupo minoritário até o final de 2021. Em dezembro, a Nasdaq encaminhou uma proposta com a Comissão de Segurança e Câmbio que tornaria necessário que suas mais de 3.000 empresas listadas tivessem pelo menos uma diretora mulher e um que pertença a algum grupo minoritário ou à comunidade LGBTQ.

Colocando pressão externa nas empresas estão ativistas como a LCDA, que deseja garantir representação justa de todas as raças e etnias. O aumento da representação latina entre os membros do conselho é uma oportunidade para refletir melhor os clientes e uma série de perspectivas, de acordo com Debra Sandler, membro da LCDA que atua no conselho de várias empresas americanas influentes, incluindo Keurig Dr. Pepper e Archer Daniels Midland.“Tenho uma experiência do mundo, deste país, diferente de outras pessoas que fazem parte do conselho”, disse Sandler, uma afro-latina que mora em Nova York. “Isso me permite ver as coisas de maneira um pouco diferente às vezes e, então, posso acrescentar isso à conversa.”

No entanto, Sandler diz que há muito mais trabalho a ser feito em termos de representação latina. Um relatório divulgado em março pela LCDA mostrou que os latino-americanos faziam parte do conselho de apenas 3% das empresas listadas na Fortune 1000 em 2020, apesar do fato de hispânicos e latinos representarem cerca de um quinto da população.Em setembro do ano passado, o grupo se juntou a organizações como a Câmara de Comércio Hispânica dos Estados Unidos, Liga dos Cidadãos da América Latina Unidos e a UnidosUS -- maior grupo hispânico sem fins lucrativos -- para lançar a campanha Latino Voices for Boardroom Equity, que busca triplicar a representação latina em conselhos de grandes empresas americanas até 2023.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.