Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.640,79
    +1.426,02 (+2,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Empresas dos EUA e Canadá fecham acordos para lançamentos na Base de Alcântara

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Essa semana foi de grande expectativa para o Programa Espacial Brasileiro: a Aeronáutica prometeu apresentar as primeiras parcerias fechadas com empresas privadas para o uso do Centro Espacial de Alcântara (CEA), no Maranhão. Durante o evento, a Agência Espacial Brasileira (AEB), o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTIC) e a Força Aérea Brasileira anunciaram as quatro empresas — entre elas, três estadunidenses e uma canadense — que foram selecionadas.

Foram escolhidas a Hyperion, Orion AST e Virgin Orbit, dos Estados Unidos, além da canadense C6 Launch, que agora avançam para negociações contratuais para, futuramente, realizar lançamentos de veículos orbitais e suborbitais com as instalações da base. Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, comentou que o desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro é algo aguardado há mais de 30 anos, tanto pelo país quanto pelas famílias que moram nos arredores da base: "esse é um momento ímpar de alinhamento entre todos os setores para o desenvolvimento do nosso programa espacial, muita coisa ainda vem aí", disse.

Os representantes das empresas receberam placas simbólicas referentes ao evento (Imagem: Reprodução/AEB)
Os representantes das empresas receberam placas simbólicas referentes ao evento (Imagem: Reprodução/AEB)

Em sua fala, Pontes relembrou o lançamento de quatro satélites brasileiros, realizados desde 2019, e destacou também parcerias internacionais como aquela realizada com o programa Artemis, da NASA, que tem o objetivo de levar astronautas novamente para a Lua e estabelecer a presença sustentável por lá. Nisso, a participação brasileira na iniciativa será voltada para a produção e desenvolvimento de pequenos equipamentos robóticos.

Os acordos são o resultado de um chamamento público iniciado no ano passado. Com as novas parcerias, as primeiras atividades podem ser iniciadas nas instalações da base entre o fim de 2021 e início de 2021. Segundo Carlos Moura, presidente da AEB, Alcântara poderá comportar desde veículos de lançamentos únicos até empresas que queiram utilizar as instalações para lançamentos contínuos — mas, pelo menos neste momento inicial, o foco deverá ficar nos lançamentos de nanossatélites.

Já o tenente-brigadeiro Baptista Junior, comandante da Aeronáutica, ressaltou a trajetória do Programa Espacial Brasileiro e as novas tecnologias, que vêm atraindo investidores: "a miniaturização de satélites, a incorporação de soluções inovadoras, ampliação de serviços e presença cada vez mais marcante da iniciativa privada, fazem o newspace se avizinhar como a nova fronteira da exploração do espaço", comentou ele.

De acordo com o tenente, o interesse nessas atividades vem crescendo, o que é indicativo da confiança que os investidores possuem no futuro do setor. A AEB vem tentando atrair empresas comerciais por meio das vantagens proporcionadas pela base de Alcântara, que fica a aproximadamente 2º18’ a sul do equador, uma localização bastante privilegiada que fornece boa capacidade angular de órbitas e permite que os custos de lançamentos sejam reduzidos em até 30%. Além disso, a base fica próxima do mar, o que permite lançamentos em órbitas polares e orbitais.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: