Mercado fechado

Empresas como Goldman e Apple posicionam marcas sobre racismo

Jeff Green e Gerald Porter Jr.

(Bloomberg) -- A MTV ficou fora do ar por 8 minutos e 46 segundos. O Goldman Sachs prometeu US$ 10 milhões “para ajudar a combater a injustiça racial e econômica”. E a Nike reformulou seu antigo slogan para estes tempos difíceis: “For Once, Don’t do It” (pela primeira vez, não faça isso).

Grandes corporações agiram com velocidade atípica para posicionar suas marcas e enviar mensagens sobre a mais recente crise dos Estados Unidos devido ao racismo e à brutalidade policial. Desde 25 de maio, quando a morte de George Floyd por policiais brancos provocou protestos em todo o país, quase todas as 50 maiores empresas dos EUA responderam publicamente às manifestações.

Embora as respostas tenham, previsivelmente, variado de empresa para empresa e de setor para setor, uma coisa é clara: o silêncio sobre o racismo não é mais opção. Muitas empresas se preocupam com a perda de clientes e funcionários se não adotarem uma posição pública.

No entanto, cada publicação nas redes sociais pode desencadear uma discussão on-line que imita as frentes de batalha em todo o país, com eventos que mudam rapidamente e temores arraigados. Ao contrário das mensagens melosas em apoio a enfermeiras e trabalhadores essenciais que lutam contra a pandemia de coronavírus ou um apelo à unidade após o 11 de setembro, não há um meio de comunicar uma mensagem feliz sobre privilégios de brancos.

“A regra do dia é justamente fazer isso”, disse Karen Boykin-Towns, assessora sênior da empresa de relações públicas Sard Verbinnen & Co., sobre o envolvimento no assunto. “É sobre responsabilidade social, é sobre responsabilidade corporativa.”

Americanos negros, já atingidos pelo coronavírus que é duas ou três vezes mais mortal em suas comunidades, transportaram os protestos das ruas para as redes sociais, argumentando que o silêncio corporativo é o mesmo que cumplicidade. Suas mensagens foram divulgadas em hashtags como #WeAreDoneDying (não queremos mais morrer), pedindo às empresas e outras entidades que mostrem apoio a mudanças.

Embora Starbucks, JPMorgan Chase e outras empresas tenham se manifestado depois que o adolescente Michael Brown foi baleado em 2014 pela polícia em Ferguson, Missouri - provocando protestos que se espalharam para outras cidades -, o envolvimento desta vez foi exponencialmente maior. Isso ocorre em parte porque os protestos foram mais difundidos e também porque as batalhas pelos direitos LGBT, a polarização da presidência de Trump e o impasse no Congresso sobre questões sociais já pressionavam empresas a preencher a lacuna.

Entre as 50 maiores empresas dos EUA, todas, exceto a Abbott Laboratories, Berkshire Hathaway, Costco Wholesale, Chevron, Exxon Mobil e Nvidia, fizeram algum tipo de declaração pública em apoio aos negros americanos em 3 de junho. Doações de quase US$ 1,1 bilhão foram prometidas ao movimento Black Lives Matter, associação NAACP, reconstrução ou programas de conscientização das comunidades - e o valor não inclui promessas monetárias sem um preço definido.

O CEO da Apple, Tim Cook, pediu justiça para ajudar Minneapolis a se curar. A Intel prometeu US$ 1 milhão para causas de justiça social. E a Microsoft usou sua página no Twitter para promover opiniões de funcionários negros.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.