Mercado fechará em 4 h 21 min
  • BOVESPA

    108.903,97
    -72,73 (-0,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.668,64
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,44
    -1,84 (-2,41%)
     
  • OURO

    1.749,60
    -4,40 (-0,25%)
     
  • BTC-USD

    16.263,72
    -286,17 (-1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,85
    +0,56 (+0,15%)
     
  • S&P500

    4.009,65
    -16,47 (-0,41%)
     
  • DOW JONES

    34.265,49
    -81,54 (-0,24%)
     
  • FTSE

    7.455,35
    -31,32 (-0,42%)
     
  • HANG SENG

    17.297,94
    -275,64 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    28.162,83
    -120,20 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.701,75
    -81,00 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,6066
    -0,0178 (-0,32%)
     

Empresas buscam financiamento para inovação da indústria na Amazônia

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - A Embrapii (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) anuncia, nesta terça-feira (15), a liberação de quase R$ 10 milhões em pesquisas para empresas instaladas na região amazônica em parceria com o BNDES e o Ministério da Educação.

As pesquisas, voltadas para a área de bioeconomia, devem movimentar cerca de R$ 30 milhões em negócios ligados às cadeias produtivas florestais da Amazônia, considerando a contrapartida das empresas e dos centros de pesquisa envolvidos.

Pelas regras de financiamento da Embrapii, pesquisas para empresas de médio e grande porte exigem contrapartidas de investimento no projeto. A cada R$ 10 aplicados na pesquisa, as empresas entram com R$ 7 e os agentes financiados com R$ 3.

Um dos projetos –voltados para a chamada bioeconomia sustentável, tema de campanha de Lula e chamariz de seu roadshow pela COP27– prevê a transformação da castanha do Pará em plástico por uma startup de Manaus (AM).

A Embrapii é um agente viabilizador de inovação na indústria. Com um orçamento de R$ 400 milhões, mantém uma rede com 85 centros de pesquisa. Na COP27, vai anunciar ainda a inclusão de mais quatro núcleos de pesquisa.

Na lista de projetos ligados à bioeconomia estão a produção de biofertilizantes e a produção de couro vegano, cujo processo de produção reduz a utilização de água.