Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.449,06
    +1.087,91 (+2,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Empresas australianas avaliadas em combate à escravidão moderna

·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Woolworths Group e Fortescue Metals se destacam no ranking de empresas australianas listadas com melhor divulgação dos riscos de escravidão moderna em suas cadeias de suprimento, enquanto IDP Education e Fisher & Paykel Healthcare estão entre as companhias com as piores classificações.

Essa é a avaliação de pesquisadores universitários com base na primeira temporada de declarações de empresas ao governo desde que a Austrália criou leis para erradicar a escravidão moderna. A Universidade Monash pontuou cada empresa em uma escala de 100, usando critérios que incluem diligência prévia da cadeia de suprimentos e processos de remediação no caso de a empresa identificar problemas de escravidão, de acordo com relatório publicado na segunda-feira.

O estudo deve ajudar empresas a melhorar suas práticas e fornecer a investidores ferramentas para impulsionar a mudança. A questão apresenta grande risco para empresas australianas, pois dois terços dos quase 25 milhões de pessoas em trabalho forçado e em servidão por dívida estão na região da Ásia-Pacífico, segundo estimativas da Organização Internacional do Trabalho.

As empresas no topo da lista priorizaram a gestão dos riscos de escravidão e foram transparentes na forma como lidam com isso, disse a pesquisadora Nga Pham em comunicado. As companhias com as classificações mais baixas foram consideradas deficientes em suas estruturas de governança e discutiram a escravidão moderna de uma maneira geral, sem focar nos riscos específicos em seus próprios negócios, segundo a pesquisa.

O governo agora exige que cerca de 3 mil empresas que geram mais de 100 milhões de dólares australianos (US$ 75 milhões) em receitas na Austrália - como mineradoras, bancos e gestoras de ativos - avaliem e detalhem como estão administrando os riscos de escravidão nas cadeias de suprimentos e descrevam as medidas tomadas para corrigir quaisquer problemas.

Os pesquisadores disseram que as empresas identificaram que seus maiores riscos de escravidão estão em questões de trabalho forçado, trabalho infantil e servidão por dívidas, todos problemas na Ásia-Pacífico, onde a Austrália origina a maior parte das importações.

No entanto, é o primeiro ano que empresas tiveram que comparar seus esforços com as novas leis da Austrália, e pesquisadores “esperam que a maioria das companhias tome medidas e melhore a qualidade de divulgação no próximo ano financeiro”, disse Pham.

Empresas com as maiores cadeias de suprimentos forneceram divulgações de maior qualidade e mostraram um histórico de medidas contínuas para reduzir riscos, concluiu o relatório.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos