Mercado fechará em 6 h 57 min
  • BOVESPA

    106.858,87
    +1.789,18 (+1,70%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.605,56
    +8,27 (+0,02%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,80
    +2,31 (+3,32%)
     
  • OURO

    1.783,00
    +3,50 (+0,20%)
     
  • BTC-USD

    51.505,84
    +2.942,25 (+6,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.332,79
    +72,64 (+5,76%)
     
  • S&P500

    4.591,67
    +53,24 (+1,17%)
     
  • DOW JONES

    35.227,03
    +646,95 (+1,87%)
     
  • FTSE

    7.322,55
    +90,27 (+1,25%)
     
  • HANG SENG

    23.983,66
    +634,28 (+2,72%)
     
  • NIKKEI

    28.455,60
    +528,23 (+1,89%)
     
  • NASDAQ

    16.137,25
    +294,50 (+1,86%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3758
    -0,0478 (-0,74%)
     

Empresas ajudam outros negócios a eliminar desperdícios e reduzir gastos

·3 min de leitura
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Still de mão segurando cédula de R$ 200,00 reais. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 17.09.2021 - Still de mão segurando cédula de R$ 200,00 reais. (Foto: Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cortar custos dentro de uma empresa nem sempre depende só da atenção do empreendedor. Há casos em que a tarefa de identificar desperdícios e eliminar gastos desnecessários exige a expertise de profissionais.

À frente de uma consultoria em Florianópolis (SC), o engenheiro de produção Flávio Luís de Souza Lima, 44, foi diversas vezes contratado pelo Sebrae para organizar a gestão de pequenas empresas —em 15 anos, foram mais de mil clientes atendidos.

Ao longo desse tempo, ele notou que havia um nicho promissor a ser explorado. "Além de gerenciar custos, eu ajudava empresas a eliminar desperdícios e precificar corretamente seus produtos e serviços", conta Lima.

Assim, em 2017, ele teve a ideia de criar a ReduzaCusto. Em quatro anos de atuação, a ferramenta permitiu que os clientes cortassem mais de R$ 7 milhões em despesas desnecessárias, afirma Lima. Empresas de pequeno porte, que raramente têm profissionais dedicados à gestão de gastos, representam cerca de 80% da clientela.

Por um plano básico, a partir de R$ 250 mensais, a ferramenta permite analisar o custo de produção, mensurar o desperdício de cada item separadamente, comparar setores da empresa e simular melhorias no processo.

A alimentação de dados deve ser periódica. "Informações como salários e despesas fixas devem ser atualizadas mensalmente", explica o criador da ferramenta.

Também é possível contratar o serviço de controladoria remota e deixar esse trabalho a cargo da ReduzaCusto. "Nossa equipe ajuda a fechar o mês, entender os custos e decidir se vale a pena aumentar um preço, por exemplo. Cerca de 70% dos clientes contratam esse serviço, porque não dispõem de tempo para gerenciar o software."

A BrasilRad, empresa especializada em controle de qualidade de equipamentos radiológicos, é cliente da ReduzaCusto há pouco mais de um ano e meio.

Como a equipe de 20 funcionários passa boa parte do ano viajando para visitar clientes, a companhia contratou a ferramenta para enxugar as despesas relacionadas a transporte —só de combustível, o gasto anual da BrasilRad chegava a R$ 100 mil.

Bastou usar o software uma vez para descobrir que retornos desnecessários aos clientes correspondiam a 9% do custo operacional.

"Desde então, conseguimos economizar até 8% do faturamento anual, o que é muita coisa para uma empresa de prestação de serviço, que trabalha com margem pequena", afirma Walmoli Gerber Junior, 40, fundador da BrasilRad.

Criada em 2005, a paulistana Wappa é outra empresa que tem como objetivo ajudar outros negócios a cortar custos. No início, a plataforma contemplava várias linhas de despesas, sobretudo benefícios concedidos a colaboradores, como vale-refeição.

Com o passar dos anos, porém, o fundador Armindo Freitas Mota Junior, 43, resolveu focar uma dor comum a várias empresas: as despesas com táxi. "Na época, os métodos usados eram o famoso voucher de papel e o reembolso, que não permitiam um controle adequado e ainda davam margem para fraudes", lembra Mota.

Lançado em 2010, o aplicativo Wappa atua em 2.500 cidades, tem 120 mil motoristas cadastrados e contabiliza 10 mil clientes, sendo que 27% deles são pequenos negócios. Em 2017, a partir da aquisição da ferramenta VaiMoto, incorporou o serviço de motoboys à plataforma.

Os usuários não pagam nada pelo serviço. A Wappa cobra, dos motoristas e motoboys, 20% de comissão por corrida. Eles recebem no dia seguinte, embora a empresa contratante só faça o pagamento à Wappa 40 dias depois.

O usuário pode definir previamente um orçamento para transporte, controlar trajetos e o consumo de cada colaborador separadamente. Além disso, faz a gestão dos reembolsos, eliminando o vaivém de comprovantes em papel —o funcionário fotografa a nota e a envia ao gestor.

"Em média, nossos clientes economizam de 30% a 40% nas verbas de transporte. Isso é dinheiro em caixa no fim do mês", diz Mota.

Ele tem planos ambiciosos para a empresa, que hoje tem 80 funcionários. Mota acaba de lançar a conta digital Wappa para motoboys e motoristas. Também pretende oferecer seguros com preços mais competitivos e, em breve, atuar em outros segmentos. "Talvez a gente avance para os setores de transporte aéreo e hospedagem", afirma.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos