Mercado fechará em 5 h 26 min
  • BOVESPA

    108.420,16
    +406,69 (+0,38%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.823,23
    -408,97 (-0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    86,17
    -0,79 (-0,91%)
     
  • OURO

    1.842,80
    -0,40 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    42.059,50
    -177,68 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,84
    +4,09 (+0,41%)
     
  • S&P500

    4.532,76
    -44,35 (-0,97%)
     
  • DOW JONES

    35.028,65
    -339,82 (-0,96%)
     
  • FTSE

    7.576,96
    -12,70 (-0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.952,35
    +824,50 (+3,42%)
     
  • NIKKEI

    27.772,93
    +305,70 (+1,11%)
     
  • NASDAQ

    15.147,25
    +113,75 (+0,76%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1333
    -0,0341 (-0,55%)
     

Empresas abertas na pandemia são 452% mais vulneráveis a fraudes

·2 min de leitura

Muitos brasileiros, por conta do alto desemprego e da pandemia, viram no empreendedorismo a oportunidade de conseguir seu sustento, mas acabaram ignorando as demandas necessárias para uma segurança digital efetiva. Isso é demonstrado por um estudo da ClearSale, que afirma que empresas criadas durante a pandemia tem 452% mais chances de sofrerem tentativas de fraudes.

Essa maior vulnerabilidade, para Henrique Martins, head de Fraude Empresarial da ClearSale, é causada pela aceleração da digitalização das pessoas físicas e jurídicas. "Em comparação com empresas maiores, as de pequeno porte possuem orçamentos e equipes reduzidas, o que faz com que os fraudadores enxerguem uma porta de entrada mais fácil para a realização de fraudes", afirma o executivo.

<em>Proteger seu CNPJ de fraudes virtuais é importante no cenário atual (Imagem: Divulgação/BKInformática)</em>
Proteger seu CNPJ de fraudes virtuais é importante no cenário atual (Imagem: Divulgação/BKInformática)

Martins ainda afirma que é necessário que as empresas estejam atentas para ter completo controle sobre suas finanças, e não acabar acreditando que um prejuízo vindo de um crime digital é culpa de alguém de dentro da companhia.

Para melhor preparar e alertar as empresas aberturas durante a pandemia sobre a fraude, Martins destaca alguns golpes em específico:

Roubo de identidade/falsidade ideológica

Esse golpe ocorre quando uma pessoa física pega dados de uma empresa terceira para tentar se passar por ela e tirar algum benefício, podendo até mesmo envolver a reativação de CNPJs antigos para realizar compras fraudulentas.

Para poder se prevenir ou identificar essas fraudes, é importante sempre conferir as movimentações de seu CNPJ em serviços como o Registrato.

Fraude de declaração de bens

Um clássico. O fraudador declara ter ou movimentar mais bens do que tem de fato. Com isso ele pode, por exemplo, conseguir uma concessão de crédito em um banco/fintech ou empresas de outros segmentos.

Assim como no golpe de roubo de identidade, é importante sempre conferir seu CNPJ no Registrato para ter total controle e ciências sobre possíveis movimentações fraudulentas feitas com ele.

Fraude de corrupção de agentes

Tem uma relação B2B (business-to-business) ou B2C (business-to-consumer) com um parceiro e recebeu algo a mais do que deveria durante a negociação de algo, visando benefícios futuros? É perigoso, já que isso se encaixa como corrupção e pode, se descoberto, causar auditorias internas de emergência, demissões e problemas judiciários nas empresas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos