Mercado abrirá em 7 h 37 min
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,74
    +0,18 (+0,47%)
     
  • OURO

    1.910,20
    +4,50 (+0,24%)
     
  • BTC-USD

    13.116,40
    +14,21 (+0,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,37
    -2,04 (-0,78%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.629,93
    -288,85 (-1,16%)
     
  • NIKKEI

    23.395,94
    -98,40 (-0,42%)
     
  • NASDAQ

    11.498,00
    +5,75 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6479
    +0,0074 (+0,11%)
     

Empresa vende iPhones que deveriam ser reciclados e é processada pela Apple

Diego Sousa
·2 minutos de leitura

A Apple entrou com um processo contra a empresa de reciclagem e ex-parceira GEEP Canada, agora parte da Quantum Lifecycle Partners, por supostamente roubar e revender cerca de 100 mil iPhones, iPads e Apple Watches que seriam desmontados e reciclados. As informações são do site The Logic.

De acordo com a reclamação, feita pela Apple em janeiro de 2020, "pelo menos 11.766 libras em dispositivos da Apple deixaram as dependências da GEEP Canada sem serem destruídos". Aproximadamente 531 mil iPhones, 25 mil iPads e 19 mil Apple Watches foram enviados à empresa de reciclagem entre janeiro de 2015 e dezembro de 2017.

A Apple teria confirmado o roubo ao descobrir, entre o final de 2017 e o começo de 2018, que os números de seriais de 18% de todos os dispositivos da empresa que haviam sido enviados à ex-parceira entre 2015 e 2017 ainda estavam ativos em redes de operadoras. A ação alega ainda que o número de aparelhos roubados deve ser maior, já que existem iPads e Apple Watches que não possuem conexão com redes móveis.

Segundo o processo, a Apple espera conseguir a recuperação total dos lucros obtidos com a revenda de seus dispositivos, além de uma indenização de 31 milhões de dólares canadenses, cerca de 128 milhões de reais em conversão direta para a nossa moeda.

Empresa não nega o roubo

A GEEP Canada não negou as acusações, mas afirmou que o crime foi feito por três funcionários sem seu consentimento. A empresa entrou com uma contra-ação e procura pelos funcionários para pagarem pelos custos. A Apple, porém, afirma que esses funcionários eram do alto escalão na administração da GEEP.

Ao The Logic, a companhia de reciclagem disse ainda que sofreu "grandes perdas comerciais" por causa dos roubos e da rescisão do contrato pela Apple, que ocorreu após 2018.

Cuidado com o ambiente

Assim como as principais companhias de tecnologia, a Apple vem tentando diminuir o desperdício de lixo eletrônico e aprimorar suas práticas ambientais. Durante o evento Apple Event, no último dia 15 de setembro, por exemplo, e empresa informou que todas as suas lojas, escritórios e data centers ao redor do mundo já funcionam com energia renovável.

Além disso, a Apple prometeu diminuir a emissão de carbono em 100% até 2030 na produção de seus produtos, incluindo seus fornecedores. O recém-lançado Apple Watch Series 6, por exemplo, traz uma moldura de alumínio reciclado, além de uma caixa com 95% de fibra reciclado.

Ao The Verge, a Apple disse que "produtos enviados para reciclagem não são mais adequados para vender aos consumidores e, se forem reconstruídos com peças falsificadas, podem causar sérios problemas de segurança, incluindo defeitos elétricos."

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: