Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.513,62
    +1.085,64 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.558,32
    +387,54 (+0,77%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,33
    +0,25 (+0,34%)
     
  • OURO

    1.775,10
    -8,30 (-0,47%)
     
  • BTC-USD

    34.832,02
    +1.426,09 (+4,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    837,44
    +50,83 (+6,46%)
     
  • S&P500

    4.266,49
    +24,65 (+0,58%)
     
  • DOW JONES

    34.196,82
    +322,58 (+0,95%)
     
  • FTSE

    7.109,97
    +35,91 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    28.882,46
    +65,39 (+0,23%)
     
  • NIKKEI

    28.875,23
    +0,34 (+0,00%)
     
  • NASDAQ

    14.359,00
    +96,00 (+0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,8627
    -0,0658 (-1,11%)
     

Empresa vai indenizar funcionária chamada de 'Jô Soares' e 'aleijadinha'

·1 minuto de leitura
Sad person being body shamed feeling self conscious
Ex-funcionária conta que era maltratada devido ao seu sobrepeso e problemas de saúde
  • Trabalhadora chamada de "Jô Soares" e "aleijadinha" por chefe e colegas vai receber indenização de R$ 5 mil

  • Segundo a ex-funcionária do condomínio, ela era tratada assim por ter sobrepeso

  • Para Justiça, ela foi vítima de assédio moral organizacional

Uma ex-funcionária chamada de apelidos ofensivos pelos chefes e colegas de trabalho vai receber uma indenização de R$ 5 mil por danos morais, segundo decisão da 10ª turma do TRT (Tribunal Regional do Trabalho) da 3ª região, em Santa Catarina. Devido ao seu sobrepeso, ela era chamada de “aleijadinha” e de “Jô Soares” no condomínio residencial em que trabalhava na área da limpeza. As informações são do Migalhas.

Leia também:

Além de ser zombada pelos colegas, a trabalhadora afirma que devido aos seus problemas de saúde também era maltratada pelo síndico, que afirmava que “atestados não limpam o prédio”. Como ela tinha fobia de lagartixas, os colegas também colocaram uma morta dentro da bolsa da mulher e fizeram piadas com a reação de pânico que ela teve. 

Ambiente hostil e degradante 

Segundo o relator, o desembargador Márcio Flávio Salem Vidigal, o dever do empregador é zelar pela saúde, segurança e conforto dos funcionários, o que não aconteceu no caso da ex-funcionária, que vivia em um ambiente de trabalho hostil e degradante. Assim, de acordo com Vidigal, ela foi vítima de assédio moral organizacional. 

A ex-funcionária também vai receber R$ 3.320,00, a título de indenização substitutiva por receber menos do que devia em cesta básica.  

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos