Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +2,45 (+3,84%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -2,50 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    50.696,95
    +2.723,50 (+5,68%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,50 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.663,75
    +208,75 (+1,68%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Empresa transforma lixo orgânico em adubo na Tijuca

Regiane Jesus
·2 minuto de leitura

RIO — Fazer o lixo virar adubo é mais do que um negócio, é um abraço ao meio ambiente. Criada em junho de 2020, a Composta’e Resíduos, com sede na Tijuca, tem como objetivo conscientizar a população local de que a compostagem (conjunto de técnicas aplicadas para estimular a decomposição de materiais orgânicos e transformá-los em alimento para a terra) é uma necessidade urgente. Fundador da empresa, William Hester comemora os cem clientes já conquistados na região, mas quer ir além. A intenção do engenheiro ambiental tijucano é levar a sua proposta de ação sustentável para um número cada vez maior de pessoas que moram, trabalham ou estudam no bairro e nas adjacências, o que depende diretamente da adesão de escolas, comércio em geral e condomínios ao seu trabalho.

— A sociedade gera muito lixo, e metade de tudo que se produz é resíduo orgânico, ou seja, material com potencial de nutrientes, de energia, que não é aproveitado. Pelo contrário. É jogado em aterros sanitários. Restos de comida, cascas de frutas, legumes, alimentos que passaram da validade, folhas e tudo o que sobra das podas de árvores e de jardinagem podem e devem passar pelo processo de compostagem para virar adubo. Infelizmente, esse material é pouco reaproveitado — lamenta. —O trabalho da minha empresa é recolher esses resíduos nos endereços dos clientes, usando um triciclo de carga, e levá-los para a compostagem, que é feita numa área verde na Rua Conde de Bonfim 909.

Após a realização da compostagem, o cliente recebe parte do adubo que foi gerado com o seu lixo orgânico.

— Desta forma, as pessoas garantem o adubo de suas plantas e hortas. O restante do material é vendido — diz Hester.

Como este serviço tem um custo, uma das funções do engenheiro ambiental é convencer o cliente potencial da importância de ser um parceiro da natureza.

— Alcanço com mais facilidade os que já são antenados com as questões ambientais e estão em busca de uma mudança de hábito. Conscientizo de que, ao contratar os nossos serviços, o cliente está contribuindo para uma gestão eficiente dos resíduos, o que é essencial para a vida, e que ainda está fortalecendo o negócio local, já que todas as pessoas que trabalham conosco moram nas redondezas. Temos um movimento, que, inclusive, pode ser um benefício financeiro para os que já são obrigados a pagar pela coleta de lixo por excederem o limite permitido pela Comlurb. Em muitos casos, fica mais barato nos contratar.

Todo esse processo de fazer o bem para o meio ambiente ainda tem grande importância na formação dos estudantes.

— A compostagem é uma ferramenta de educação ambiental. É um item pedagógico rico para que as crianças cresçam com a consciência de que é preciso preservar a natureza — observa Hester.

SIGA O GLOBO-BAIRROS NO TWITTER (OGlobo_Bairros)