Mercado fechará em 6 h 50 min
  • BOVESPA

    129.441,03
    0,00 (0,00%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,63
    +0,72 (+1,02%)
     
  • OURO

    1.849,30
    -30,30 (-1,61%)
     
  • BTC-USD

    40.296,09
    +4.337,27 (+12,06%)
     
  • CMC Crypto 200

    998,88
    +57,07 (+6,06%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.139,28
    +5,22 (+0,07%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.018,50
    +24,25 (+0,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1622
    -0,0304 (-0,49%)
     

Empresa terá que indenizar casal em R$ 16 mil por refrigerante com soda cáustica

·1 minuto de leitura

Um casal tomou um susto ao tomar um simples refrigerante. Depois de ingerir a bebida, sentiram o líquido queimar suas gargantas e, ao darem uma olhada melhor na garrafa, notaram uma coloração amarela e um forte cheiro de soda cáustica. O diagnóstico médico confirmou a suspeita: intoxicação cáustica. Os clientes entraram na justiça, e a empresa foi condenada a pagar indenização de R$ 16 mil por danos morais.

Em primeira instância, o juiz entendeu que apenas a mulher deveria receber a indenização da empresa, já que havia ingerido o produto em maior quantidade, determinando pagamento de R$ 6 mil. Após recurso no Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a desembargadora-relatora Juliana Campos Horta entendeu que a situação causou "profundo desconforto que supera o mero dissabor, especialmente se considerada a possibilidade de contaminação e consequente dano à saúde". Por isso, incluiu o homem como vítima e estabeleceu o pagamento de R$ 8 mil para cada um dos autores.

A desembargadora ainda ressaltou o dever legal do fornecedor em garantir a saúde e a segurança do consumidor:

"É inegável que o produto apresenta defeito, pois, além de não corresponder à expectativa do consumidor, sua utilização ou fruição é capaz de criar riscos à sua incolumidade ou de terceiros", pontuou.