Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    49.014,89
    -239,08 (-0,49%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

Empresa de segurança cibernética Darktrace dispara em estreia na bolsa de Londres

Paul Sandle
·2 minuto de leitura
.

Por Paul Sandle

LONDRES (Reuters) - A Darktrace, empresa de segurança cibernética assessorada por ex-espiões do MI5 e CIA, saltou mais de 40% em sua estreia no mercado nesta sexta-feira, entregando um estímulo aos negócios de Londres após o grande fracasso da Deliveroo no mês passado.

A empresa foi precificada no IPO em pouco mais da metade do objetivo original de 4 bilhões de dólares. Mas ela disparou quando as negociações começaram.

A Darktrace usa inteligência artificial para entender as redes de TI e, em seguida, detectar ataques identificando um comportamento incomum internamente. Seu conselho consultivo inclui um ex-diretor geral do serviço de segurança britânico, Jonathan Evans; um ex-diretor de informações da CIA, Alan Wade; e o ex-ministro do Interior do Reino Unido, Amber Rudd.

"Hoje é apenas o começo", disse a presidente-executiva, Poppy Gustafsson.

A empresa, que afirma estar atualmente focada no crescimento e não nos lucros, foi fundada na cidade universitária inglesa de Cambridge, em 2013, apoiada pelo empresário Michael Lynch, que estava no conselho até 2018 e ainda é um consultor. Ele e sua esposa possuem participações no valor de 440 milhões de libras após a estreia das ações.

Lynch luta contra um pedido de extradição dos EUA para enfrentar acusações de fraude ligadas à venda da Autonomy, uma empresa de software que ele fundou e liderou, para a americana Hewlett-Packard. Ele também aguarda o veredicto de uma ação civil multibilionária da HP no Supremo Tribunal de Londres.

A Darktrace detalhou os riscos relacionados a Lynch em seus documentos de registro, incluindo responsabilidade potencial em relação a alegações de lavagem de dinheiro feitas por promotores dos EUA, embora a empresa tenha dito que o risco deste último era baixo. Lynch nega todas as acusações nos casos.

Gustafsson, presidente da Darktrace e que antes trabalhou na Autonomy, disse que a opinião do investidor não foi afetada pela associação com Lynch.

"Em última análise, embora Mike seja um tecnólogo visionário e um dos primeiros investidores no Darktrace, ele não está envolvido na gestão diária do negócio", disse ela à Reuters.

Mas a conexão de Lynch foi suficiente para dissuadir os principais bancos dos EUA de se candidatarem a papéis no IPO, fontes disseram à Reuters. O UBS foi originalmente nomeado coordenador global, mas depois deixou o cargo devido às preocupações de conformidade relacionadas à história da Autonomy, outra fonte disse à Reuters.

A tecnologia da Darktrace é usada por mais de 4.700 empresas e organizações, incluindo serviços de inteligência. A empresa de tecnologia, cuja receita passou de 79,4 milhões de dólares para 199,1 milhões entre 2018 e 2020, ainda não deu lucro.