Mercado fechará em 2 h 25 min

Empresa de satélites desenvolve drones civis de longa distância

Thomas Seal

(Bloomberg) -- A Inmarsat Group diz que encontrou uma maneira de operar com segurança drones civis para longas distâncias, um passo que pode ajudar a abrir caminho para adoção em larga escala por diversos setores, como transportes, energia e infraestrutura.

Sob as regras atuais, a maioria dos usuários não militares precisa manter os drones no mesmo campo de visão e só pode operar um de cada vez para evitar colisões. Portanto, a corrida atual é para desenvolver uma abordagem à prova de falhas que possa satisfazer os reguladores.

A Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido (CAA, na sigla em inglês) sinalizou que está pronta para relaxar as regras da “linha de visão” e de um usuário para cada drone se alguma empresa criar um sistema de comunicação que elimine o risco de acidentes.

A operadora de satélite Inmarsat fez parceria com a startup de gerenciamento de tráfego aéreo de drones Altitude Angel para adaptar drones com uma conexão global por satélite quando as comunicações terrestres não estiverem disponíveis.

O voo de um drone além da linha de visão seria “um divisor de águas”, disse David Tait, chefe interino da equipe de inovação da CAA.

Os reguladores caminham devagar e com cautela diante da onda de popularidade de pequenos drones particulares para fotos aéreas e de lazer. Dispositivos não tripulados relativamente acessíveis podem ser operados por quilômetros usando vídeo remoto que mostra o equivalente à visualização da cabine de um avião, mas isso é proibido em muitos países.

Os satélites da Inmarsat, com sede em Londres, fornecem comunicações globais para as forças armadas, serviços de emergência e navios. Como seus receptores de satélite terrestres se tornaram menores e mais baratos, isso facilita seu uso em pequenas aeronaves.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.